A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Economia brasileira deve crescer 2% esse ano, diz ex-BC

Uma pré-condição para o Brasil ter taxas de juros em níveis internacionais é ter inflação em níveis internacionais, segundo Mesquita

São Paulo - O último boletim Focus (que indica as expectativas do mercado) elaborado pelo Banco Central reduziu a expectativa de crescimento do PIB em 2012 para 2,53%. Para Mário Mesquita, ex-diretor de política econômica do Banco Central, o consenso para o crescimento desse ano ainda está otimista. “É mais provável que o crescimento fique em 2%. Para chegar nisso vamos precisar acelerar a atividade econômica no segundo semestre do ano”, disse.  

Para Mesquita, os efeitos do relaxamento da politica monetária vão se fazer sentir, o governo talvez avance em investimentos e, dependendo do comportamento, os 4,3% (expectativa dada pelo Focus de crescimento do PIB) do ano que vem ou 4% são possíveis, mas 2,5% em 2012 é “muito otimista”. “Um crescimento de 2% esse ano é ruim sem dúvida, mas é o que será possível”, disse Mesquita.

Juros 

Uma pré-condição para o Brasil ter taxas de juros em níveis internacionais é ter inflação em níveis internacionais, segundo Mesquita. A meta de inflação brasileira é de 4,5% podendo chegar a 6%. No Chile e no México é de 3%, exemplificou. 

“Acho que vamos convergir para uma meta de inflação mais civilizada nos próximos cinco ou 10 anos, seria decepcionante se continuássemos com meta de 4,5%”. Essa é aspiração, mas pesa contra ela o ambiente externo atual, descrito como desinflacionário, segundo Mesquita. “Se nesse ambiente nossa inflação é 5%, quando o ambiente externo mudar pode ser que nossa inflação aumente”, afirmou. 

A expectativa dada pelo Focus de 5,03% de inflação para esse ano parece factível, segundo Mesquita. Já sobre a expectativa de 5,60% em 2013, Mesquita acredita que a inflação pode surpreender para cima, por conta de alguns aumentos de preço que não ocorrerão em 2012 mas devem aparecer em 2013 –como a gasolina e outros preços que não sobem por causa das eleições municipais. 

Exterior

O cenário atual da economia é de muita incerteza, especialmente quando se olha para a situação da Europa, segundo Mesquita. Na Europa, a tendência é que a economia tenha uma recessão esse ano, segundo o ex-diretor. “É difícil ver economias como a Grécia crescerem de forma mais forte com a mesma taxa de câmbio que a Alemanha”, afirmou. Mesquita destacou que outros países da periferia da Europa também enfrentam problemas severos. 

Já nos Estados Unidos, a economia não está tão fraca como indicam os últimos números, segundo Mesquita. “Não se vê um crescimento pujante, mas a economia vai num crescimento moderado”, disse.

Mário Mesquita participou hoje de evento realizado pela revista EXAME e pela FGV em São Paulo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também