Economia

Diretor do FMI diz acreditar que toda a Europa terá desaceleração no crescimento

Já em análise sobre o Reino Unido em particular, Kammer destacou que o FMI irá avaliar a recalibração fiscal anunciada mais cedo

Diretor destacou, em entrevista coletiva, que o quadro macroeconômico dos países da Europa deverá estar alinhado para combater a inflação (Silas Stein/picture alliance/Getty Images)

Diretor destacou, em entrevista coletiva, que o quadro macroeconômico dos países da Europa deverá estar alinhado para combater a inflação (Silas Stein/picture alliance/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 14 de outubro de 2022 às 16h55.

Última atualização em 14 de outubro de 2022 às 17h31.

O diretor do Departamento da Europa do Fundo Monetário Internacional (FMI), Alfred Kammer, acredita que toda a Europa deverá passar por uma desaceleração do crescimento. Segundo ele, países como Alemanha e Itália enfrentarão um período de recessão. Já países como a Espanha deverão escapar do risco.

Kammer destacou ainda, em entrevista coletiva, que o quadro macroeconômico dos países da Europa deverá estar alinhado para combater a inflação. "A inflação deve cair de forma constante no próximo ano, mas permanecerá significativamente acima da meta do banco central."

Já em análise sobre o Reino Unido em particular, Kammer destacou que o FMI irá avaliar a recalibração fiscal anunciada mais cedo.

A declaração vem no mesmo dia em que o ministro de Finanças do Reino Unido, Kwasi Kwarteng, deixou o posto, a pedido da primeira-ministra Liz Truss.

O ministro era um dos principais responsáveis pelo plano fiscal do Reino Unido, mal recebido pelo mercado, e Truss também anunciou mudanças na iniciativa.

Veja também: 

Dirigente diz não ter dúvida de que Fed deverá elevar mais os juros nos EUA

Brasil cai para a 15ª posição no ranking da indústria global, mostra CNI

Acompanhe tudo sobre:economia-internacionalEuropaFMIUnião Europeia

Mais de Economia

Brasil exporta 31 mil toneladas de biscoitos no 1º semestre de 2024

Corte anunciado por Haddad é suficiente para cumprir meta fiscal? Economistas avaliam

Qual é a diferença entre bloqueio e contingenciamento de recursos do Orçamento? Entenda

Haddad anuncia corte de R$ 15 bilhões no Orçamento de 2024 para cumprir arcabouço e meta fiscal

Mais na Exame