Dia nacional da China: líder de Hong Kong promete reavivar economia — que passa por dificuldades

Partido Comunista da China comemora seu 73º aniversário no poder sob rígidos controles antivírus
 (VCG/VCG/Getty Images)
(VCG/VCG/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 01/10/2022 às 12:37.

O líder de Hong Kong prometeu neste sábado reviver sua economia, que passa por dificuldades, após uma campanha para esmagar um movimento pró-democracia, enquanto o Partido Comunista da China comemora seu 73º aniversário no poder sob rígidos controles antivírus.

O presidente-executivo de Hong Kong, John Lee, alertou em um discurso, que a covid-19 "ainda ofusca" a cidade de mais de 7 milhões de pessoas. Ele prometeu reavivar a economia em dificuldades e "salvaguardar a subsistência das pessoas" à medida que as viagens e outras restrições de antivírus são facilitadas.

Quer saber tudo sobre a política internacional? Assine a EXAME e fique por dentro.

Lee, que assumiu o cargo em julho, é um ex-chefe de polícia que supervisionou uma repressão que prendeu ativistas pró-democracia fechou um importante jornal e provocou um êxodo de moradores para a Grã-Bretanha, Estados Unidos e Taiwan.

"Hong Kong agora passa pela transição crítica da estabilidade para a prosperidade", disse Lee, que usava uma máscara vermelha da cor da bandeira chinesa e estava ladeado por dignitários mascarados em um centro de convenções no centro da cidade. "Tenho total confiança no futuro de Hong Kong, e você também deveria".

Lee invocou o slogan "patriotas administrando Hong Kong", uma referência aos esforços oficiais para impedir que ativistas pró-democracia ocupem cargos públicos. Ele disse que um discurso proferido pelo presidente Xi Jinping durante uma visita de 1º de julho seria o "plano de governança" de seu governo.

Os Estados Unidos, o Reino Unido e outros governos reclamam que a repressão de Pequim a Hong Kong em resposta aos protestos pró-democracia que começaram em 2019 viola sua promessa de autonomia para a ex-colônia britânica.

Washington e outros governos impuseram sanções a algumas autoridades associadas à repressão e à retirada do comércio e outros privilégios que tratavam Hong Kong como um território separado do continente.