Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Devedores só começam a pagar & em 2011

A previsão é de que o parcelamento das dívidas só comece a ser pago em fevereiro, no caso das pessoas físicas, e em abril e maio, no caso das empresas

Modo escuro

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

D
Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às, 03h44.

São Paulo - Anistia na multa, redução de juros e até 180 meses para pagar. Parece promoção de eletrodomésticos, mas são as regras do "Refis da crise", o atual programa de renegociação de dívidas com a Receita Federal. O conjunto de vantagens já era compensador, a ponto de atrair 561 mil devedores de impostos. Mesmo assim, o programa vai ganhar mais uma facilidade: a primeira parcela da dívida ficou para ser paga no ano que vem.

A Receita ainda não fez a divulgação dessa data, mas ela já está prevista numa circular interna do Fisco à qual o jornal O Estado de S. Paulo teve acesso. O documento diz que seria necessário um "investimento brutal" em tecnologia para que o Refis funcione do jeito que foi apresentado ao público. Ainda assim, o sistema só ficará pronto no fim do ano. Por isso, a previsão é que o parcelamento das dívidas só comece a ser pago em fevereiro de 2011, no caso das pessoas físicas, e em abril e maio, no caso das empresas.

"Esse ano ou ano e meio é necessário para fazer tudo com muito cuidado e não errar", afirma Marcelo Lins, coordenador-geral de arrecadação e cobrança da Receita. "Colocar no sistema os mais de 560 mil contribuintes que optaram pelo parcelamento exige uma logística maluca, um caminho muito longo."

Como a adesão ao Refis foi feita em novembro de 2008, na prática os devedores ganharam um ano e cinco meses de carência antes de começar a pagar o que devem. O benefício, no entanto, é imediato. A adesão ao Refis suspende as ações de cobrança da Receita e até processos por sonegação em curso na Justiça. Na iniciativa privada, costuma acontecer o contrário: antes de limpar o nome, é preciso retomar o pagamento.

Últimas Notícias

ver mais
Governo estima déficit fiscal de R$ 141,4 bi em 2023 e anuncia bloqueio de R$ 588 mi do Orçamento
Economia

Governo estima déficit fiscal de R$ 141,4 bi em 2023 e anuncia bloqueio de R$ 588 mi do Orçamento

Há 8 horas
Assembleia da Vale elege Dario Durigan como novo membro do Conselho Fiscal
Economia

Assembleia da Vale elege Dario Durigan como novo membro do Conselho Fiscal

Há 11 horas
Na China, Xangai e Pequim anunciam relaxamento de regras para investimento estrangeiro direto
Economia

Na China, Xangai e Pequim anunciam relaxamento de regras para investimento estrangeiro direto

Há 12 horas
Mercado Livre e Shopee recebem aval para isenção de imposto em compras internacionais de até US$ 50
Economia

Mercado Livre e Shopee recebem aval para isenção de imposto em compras internacionais de até US$ 50

Há 13 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais