Desemprego fica em 6,4% em maio, o menor patamar para o mês da série histórica

Segundo o IBGE, em abril, taxa também tinha sido de 6,4% e, em maio de 2010, de 7,5%

São Paulo – A taxa de desemprego nas seis principais regiões metropolitanas do Brasil permaneceu em 6,4% em maio. É o menor patamar para o mês da série histórica do IBGE iniciada em março de 2002.

A notícia é excelente para os trabalhadores, mas gera preocupação nos diretores do Banco Central, cuja prioridade neste momento é o combate à inflação de demanda.

A população desocupada (1,5 milhão de pessoas) não apresentou variação em relação a abril e caiu 13,7% frente a maio do ano passado.

Já a população ocupada (22,4 milhões) apresentou estabilidade em relação a abril e cresceu 2,5% na comparação com maio do ano passado. 

Fonte: IBGE
Indicador Maio de 2010 Abril de 2011 Maio de 2011
Taxa de desocupação 7,5% 6,4% 6,4%
Rendimento real habitual R$ 1.506,44 R$ 1.548,72 R$ 1.566,70

Renda em alta

O rendimento médio real habitual dos ocupados atingiu R$ 1.566,70, o valor mais alto para o mês de maio desde 2002. O resultado representa uma alta de 1,1% em relação a abril e de 4,0% frente a maio do ano passado.

“A massa de rendimento real habitual (R$ 35,5 bilhões) ficou 1,6% acima da registrada em abril e cresceu 6,6% em relação a maio do ano passado. A massa de rendimento real efetivo dos ocupados (R$ 35,3 bilhões) estimada em abril de 2011 subiu 1,5% no mês e 6,9% no ano”, informa o IBGE.

A Pesquisa Mensal de Emprego é realizada nas regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. 

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.