Dados e ciência econômica para pais tomarem decisões melhores na pandemia

Economista americana criou um guia para que os pais avaliem os riscos e os benefícios das crianças voltarem para a escola em tempos de covid

Ao longo de alguns dias em meados de maio, em Providence, capital do estado de Rhode Island, entre dar aulas em casa para os filhos de 5 e 9 anos de idade, avaliar trabalhos de pesquisa de graduação, fazer pão, revisar o primeiro livro e copresidir a Força Tarefa da Universidade Brown para um Outono Saudável, pelo Zoom, Emily Oster sentou-se diante de seu laptop com um constante suprimento de café. Alguns meses antes, ela havia começado a escrever um boletim informativo chamado Dados para os Pais, voltado para o acompanhamento de mulheres grávidas e novos pais, que havia acumulado ao longo dos anos. Começou como um guia para tomar decisões baseadas em dados sobre coisas como dormir de lado e copinhos com canudinhos. Mas, como com tudo mais, a pandemia havia assumido o controle. Ela acordava todos os dias com a caixa de entrada cheia de perguntas frenéticas: era seguro visitar os avós? As datas dos jogos teriam sido desmarcadas? E que tal mandar as crianças de volta à escola?

Emily Oster, professora de Economia, tinha construído uma próspera carreira aplicando as ferramentas de sua disciplina à vida cotidiana. Seu primeiro livro, Expecting Better: Why the Conventional Pregnancy Wisdom Is Wrong—and What You Really Need to Know (Uma Gravidez Melhor: Por que o conhecimento geral sobre gravidez está errado e que você realmente precisa saber a respeito), de 2013 passou da obscuridade acadêmica para item necessário da casa. Este livro analisou profundamente os dados para rebater as proibições gerais emitidas por obstetras (incluindo as dela durante a gravidez) em carnes processadas, sushi e bebidas alcóolicas. “Os princípios fundamentais de tomada de decisão dos economistas se aplicam a tudo”, escreveu ela. “E isso inclui o útero.”

Agora Oster está usando esses princípios para ajudar as pessoas a pensar sobre duas das mais incômodas questões da era do Covid-19: como permanecer seguro e como e quando reabrir creches e escolas para as 74 milhões de crianças dos EUA, seus pais, bem como se a economia pode recuperar alguma indício de normalidade e produtividade. Embora suas análises sobre a reabertura de escolas tenham sido criticadas como sendo muito arrogantes (e a compararam com o presidente Trump mais do que ela gostaria), ela acabou por se tornar uma autoridade em meio à ansiedade, com assinaturas no Atlantic, no New York Times, no Washington Post e na Bloomberg Opinion, além de aparições em uma série de podcasts.

Quanto às perguntas que se amontoavam em sua caixa de entrada em maio, Oster não poderia responder ou decidir o que era melhor para a situação peculiar de cada leitor do boletim informativo. Mas ela poderia compartilhar a estrutura econômica que usa quando enfrenta a incerteza. Então começou a digitar:

  1. Especifique a questão. (Defina claramente duas ou três opções, em vez de tentar avaliar infinitas ou indistintas possibilidades.)
  2. Minimize os riscos. (Qual é a maneira mais segura para executar essas opções?)
  3. Avalie o risco.
  4. Avalie os benefícios. (Não os ignore.)

O objetivo do exercício, diz Emily, não necessariamente, é ter certeza de que a decisão tomada é a certa. Isso pode ser possível às vezes, mas é muito difícil agora, pois a pesquisa sobre o vírus produz dados novos e mutáveis ​​e muitos desses dados que gostaríamos de ter não estão disponíveis ou estão incompletos. O objetivo é sentir-se bem a respeito do processo usado para chegar a uma decisão, para que se possa chegar para o próximo incêndio a ser apagado.

A mensagem não pareceria estranha para ninguém que já tivesse estudado Economia Básica ou adotou o hábito de Benjamin Franklin de analisar prós e os contras. Mas atingiu um pico tão alto que a postagem logo se tornou a mais popular de Emily, com mais de meio milhão de visualizações. Como sempre faz, compartilhou as decisões que ela e o marido tomaram sobre o assunto em questão: “Embora saiba que serei crucificada, vou contar o que houve”, escreveu ela. Eles contrataram uma jovem babá que mora sozinha para cuidar de seus filhos nas tardes, quando as escolas fecharam em março, para que pudessem continuar a trabalhar, e marcaram visitas com os avós por meio de caminhadas com uso de máscaras e socialmente distantes, pelos atalhos no bosque.

Oster tem 40 anos, olhos brilhantes, um sorriso largo, cabelo liso castanho escuro, corte estilo Chanel, que usou por muitos anos mas que agora fica preso em um “rabo de cavalo Covid” depois de se cansar de olhar para si mesma em ligações do Zoom o dia todo. Além do livro “Expecting Better” ela elaborou o Cribsheet (Planilha do Berço) de 2019: um guia baseado em dados de como ser melhores e mais relaxados enquanto pais, do nascimento à pré-escola, bestseller instantâneo do Times. Os livros tornaram-na uma celebridade entre uma geração de mulheres e novos pais como eu, dando-nos a capacidade de tomar decisões seguras e confiantes. Sua escrita é acessível, denota autoridade, é empática, impregnada de um humor autodepreciativo. “Comecei a pirar um pouco semana passada ”, escreveu ela em ParentData (Dados para os Pais) em 27 de abril. “Era eu chorando no estacionamento do supermercado na quinta-feira passada? Sim, era.”

Oster fez sua estreia em sala de aula ainda criança em 1980, quando o pai, Ray Fair, levantou-a ao estilo Rei Leão em uma sala de aula da Yale. “Achei que, como falamos sobre funções da produção durante todo o semestre, vocês gostariam de ver minha produção”, disse ele aos alunos, como um deles lembrou na revista de ex-alunos da escola. Fair, macroeconomista conhecido por suas previsões presidenciais (ele previu a vitória de Trump em 2016; mas não fez nenhuma para 2020 porque a pandemia bagunçou a economia e, portanto, seu modelo), até hoje ensina lá. A mãe de Emily, Sharon Oster, também era economista da Yale até se aposentar em 2018. Ela foi a primeira mulher a obter estabilidade e se tornar reitora da Escola de Administração da Universidade.

Os Oster-Fair trouxeram para casa o aprendizado sobre economia. A compra de alimentos foi uma lição sobre o custo da oportunidade: o tempo era valioso, então Sharon mandou por fax uma lista para o dono da mercearia em vez de perambular pelos corredores. Fair não atendida aos apelos de seus filhos para mudar para uma fila de pedágio mais curta, citando a “condição de não arbitragem”, que pressupõe que, como todos estão otimizando o tempo todo, a possibilidade de se sair bem é marginal. O feminismo foi demonstrado, não simplesmente discutido. O casal alternava noites preparando o jantar, apesar de Sharon ser uma cozinheira melhor, para mostrar que aquilo não era trabalho exclusivo de mulher. Sharon não mudou seu sobrenome ao se casar, e ela e o marido decidiram no cara-ou-coroa de quem Emily levaria o nome. Sharon me disse, “para deixar os filhos refletirem sobre a natureza da cultura e da sociedade patriarcal”. (Para os dois irmãos mais novos de Emily, eles alternaram sobrenomes. ) Emily foi uma criança brilhante, determinada e mandona, do tipo que cria um algoritmo para resolver problemas de uma equação quadrática em matemática da sexta série. A professora fez com que ela refizesse o trabalho manualmente.

Depois de se formar no colégio interno, Oster entrou em Harvard, pensando que se formaria em bioquímica. Isso mudou depois de um verão trabalhando em dois empregos: um em um laboratório de biologia dissecando drosófilas e outro ajudando Christopher Avery, economista da Kennedy School de Harvard, em um livro sobre admissões em universidades. O campo de ação da economia parecia mais amplo. “Gostei da ideia de poder responder a perguntas gerais sobre o que está acontecendo no mundo”, diz ela. Avery provaria ser fundamental em sua vida pessoal também – ele apresentou Emily Oster a, Jesse Shapiro, agora seu marido também economista da Brown.

Quando começou o doutorado em Harvard em 2003, Oster se voltou para a interseção de economia e saúde. Ela viu uma oportunidade de lançar uma nova luz sobre a epidemia de HIV/AIDS que assola a África. Oster argumentou que a prevalência de outras doenças sexualmente transmissíveis desempenhava um papel maior na transmissão do HIV do que os pesquisadores pensavam anteriormente e que o tratamento não teria equilíbrio entre custo e efetividade. (A Organização Mundial da Saúde recuou: “Argumentos estreitos sobre custo-efetividade semeiam confusão e legitimam mais atrasos no atendimento aos milhões que agora vivem com HIV.”) Ela usou dados de mortalidade para postular que as Nações Unidas estavam superestimando as taxas de infecção por HIV em até três vezes. Aos 27 anos, ela deu uma palestra TED (Tecnologia, Entretenimento e Design) sobre o assunto, foi consultada pela Comissão do Presidente sobre AIDS e foi apontada juntamente com Shapiro e outros como o “futuro da economia, pela revista Times.

Foi também durante esses anos que Oster sofreu por um de seus maiores desastres. Parte de sua dissertação desafiou a ideia da economista ganhadora do Prêmio Nobel Amartya Sen de que a Ásia sofria de um problema de 100 milhões de “mulheres desaparecidas” como resultado da discriminação de gênero e misoginia. Emily postulou que quase metade do problema poderia ser explicado por mulheres grávidas com hepatite B, que se correlacionava com o parto de meninos. O Journal of Political Economy (Jornal da Economia Política) , coeditado na época pelo economista da Universidade de Chicago Steven Levitt, publicou-o em 2005. Levitt e o coautor Stephen Dubner elogiaram-no na Revista Slate  no momento em que estavam surgindo para a fama com o lançamento de Freakonomics – O lado oculto e inesperado de tudo que nos afeta, um fenômeno de vendas elogiado por levar a economia às massas e criticado por rebaixar a disciplina com inteligência. O jornal manifestou apreensão em todas as matérias. Quem essa jovem pensava que era?

Nesse caso, os críticos estavam certos. No ano seguinte, pesquisadores em Taiwan contradisseram suas descobertas usando uma amostra maior de dados. Ela acabou viajando pela China para coletar dados melhores e se corrigir em um artigo de acompanhamento. Quando o Wall Street Journal escreveu um artigo sobre a reviravolta, ela disse que era a coisa responsável a fazer. “É assim que a ciência funciona”, disse ela.

Oster deixou Cambridge em 2006 para fazer pós-doutorado e lecionar na Universidade de Chicago, onde Shapiro havia começado o pós-doutorado no ano anterior. Os dois se casaram naquele ano, unidos por um amor compartilhado pela eficiência e estrutura. Eles discutem grandes decisões principalmente por e-mail e rastreiam as tarefas da família usando um software de gerenciamento de projetos. Ao saber que ela estava grávida de seu segundo filho, Emily alertou Shapiro por meio de um convite da Agenda do Google sobre a data prevista. Tornou-se uma colaboradora regular da Revista Slate e escreveu uma coluna de conselhos curtos para o Journal of Political Economy (Jornal da Economia Política), explicando como aplicar conceitos como a utilidade marginal decrescente e vantagem comparativa vs. absoluta para cuidar dos filhos e sobre a divisão de tarefas conjugais.

A ideia do primeiro livro de Oster nasceu em 2010, durante a gravidez de sua primeira filha, Penélope, quando as orientações do obstetra sobre o que comer e dormir pareciam condescendentes e não eram acompanhadas de dados. Ela ampliou sua pesquisa para pesar riscos e benefícios para si mesma e destilou isso no livro Uma Gravidez Melhor, provocando a ira dos médicos em todos os lugares. O livro se tornou um grande sucesso: a cada ano, vende mais exemplares do que no ano anterior. No entanto, a decisão de Emily de escrever um livro para as massas – analisando e sintetizando a pesquisa de outras pessoas, em vez de originar a sua própria – não é necessariamente unanimidade no mundo acadêmico. Em 2014, a Universidade de Chicago convidou-a se candidatar antecipadamente para um cargo efetivo, mas seguida, desconvidou-a. “Foi o pior”, diz ela, “tipo, muito, muito ruim”, o que colocou em dúvida seu valor e sua identidade.

Oster e Shapiro logo chegaram na Brown. O departamento de economia da Universidade não tinha o prestígio de Chicago, mas trazia consigo os benefícios da estabilidade para ambos e da proximidade com suas famílias. Desde então, ela deu à luz seu filho, Finn, foi promovida a presidente do comitê de promoção e posse da Brown e foi nomeada Professora de Excelência do Ensino da Família Royce.

Em 2019, ela publicou Cribsheet (A Planilha do Berço), que explora o que as evidências dizem sobre treino do sono, desenvolvimento da linguagem e vacinas. Provocou reações por seu posicionamento em relação ao aleitamento materno: Se você fizer, ótimo, mas se não, não precisa se sentir mal, porque os benefícios são exagerados. Seus críticos agora estavam furiosos. Lori Feldman-Winter, presidente da Seção de Amamentação da Academia Americana de Pediatria, criticou Emily Oster nas páginas da revista New Yorker por não ser epidemiologista e acusando-a de mal interpretar a pesquisa e comparou-a às pessoas do movimento antivacina.

Depois de inúmeras horas de entrevistas, via Zoom, com Emily Oster, ficou claro para mim que embora as críticas não abalem sua confiança, seu fracasso em publicar uma quantidade significativa de pesquisas originais, a métrica padrão pela qual seu campo mede o sucesso, o fez. (Provavelmente não ajuda o fato de Shapiro ser considerado um dos maiores economistas do país, conforme medido por essa métrica.) Mas as pessoas em todos os lugares a procuram em busca de respostas, eu disse um dia enquanto ela preparava o almoço para seus filhos. Qual é a sensação? “É legal, meio estranho e um pouco assustador”, ela respondeu. “Alguém me disse recentemente: ‘Você é a única pessoa que eu escuto.’ E eu respondi, ‘Oh, meu Deus.’”

Dois filhos de Oster estão na escola. Ela argumenta que crianças mais novas podem voltar para a sala de aula mais cedo do que as mais velhas.

No início de abril, os seguidores de Emily Oster sabiam que a pandemia a levara a atualizar o kit de comida de emergência de sua família com um pote grande de 2 kg de manteiga de amendoim, alternar entre “obsessão frenética pelas coisas banais” e ” pavor existencial” e começar a cortar o cabelo dos filhos. (“É ruim. Muito ruim.”) O número de jovens fora da escola em todo o mundo atingiu o pico em torno de 1,6 bilhão, ou mais de 91% da população estudantil global, de acordo com a Unesco. Cerca de metade já retornou às aulas. Mas particularmente nos EUA, que não conseguiu conter o vírus, as questões de quando e como reabrir as escolas continuam a perturbar e polarizar.

Sem um plano de reabertura nacional, a situação varia muito dependendo da geografia. O hedge fund Brevan Howard começou em agosto a compilar dados sobre os 100 maiores distritos escolares dos Estados Unidos e descobriu que 75 optaram pelo ensino virtual, 16 pelo presencial e 9 pelo híbrido. As implicações econômicas são surpreendentes. Brevan Howard estimou que 4,3 milhões de pais que trabalham (leia-se: principalmente mulheres) serão forçados a reduzir sua carga horária ou se demitirem de seus empregos, um resultado que “pode ser tão perturbador para o mercado de trabalho quanto uma recessão de pequeno a médio porte, ” diz. “Os investidores precisam adicionar escolas ao seu usual painel de indicadores econômicos.”

Oster defendeu pessoal e amplamente a reabertura de escolas. As circunstâncias sob as quais ela diz que isso pode acontecer com segurança são muito mais sutis do que aquelas apoiadas pelo governo Trump, que pressionou por uma abordagem aberta, não importando nada. Mas para pais desesperados para que seus filhos voltem às aulas, o importante é que Emily seja favorável à essa abordagem.

Quando se trata de reabrir a sociedade de forma ampla, a OMS traça uma linha de 5% dos testes da COVID-19 com resultados positivos. Emily Oster segue esse patamar: locais com taxas de infecção maiores do que os 5% não deveriam reabrir escolas – ou bares, academias ou parques aquáticos. Locais com infecções abaixo dessa taxa podem reabrir escolas se implementarem comprovados protocolos de segurança, como uso de máscaras, distanciamento social e ventilação adequada. A capacidade de testar e rastrear o contato deve ser sólida e instantânea.

Essas medidas exigem dinheiro. Emily Oster argumenta que são investimentos valiosos e econômicos, porque a reabertura de escolas traz benefícios essenciais para a economia e a sociedade: os pais poderem voltar a trabalhar. Crianças em situação de risco terão um lugar seguro para ir e se alimentar. As perdas de aprendizagem documentadas enquanto as escolas ficaram online na primavera, atingindo mais seriamente os alunos de baixa renda e negros, podem ser resolvidas. Emily Oster também usou sua plataforma para destacar a realidade desigual do sistema educacional dos Estados Unidos. “Sem mais recursos, há muitos lugares onde simplesmente não será seguro abrir”, disse Oster em um webinar da Brown em agosto.

As opiniões de Emily Oster colocam-na em algum lugar no meio da opinião dominante – mais perto de Anthony Fauci do National Institutes of Health (Institutos Nacionais da Saúde) que de pessoas que defendem uma postura radical contra a reabertura até que o vírus seja efetivamente eliminado. A Academia Americana de Pediatria também favorece a retomada do aprendizado presencial, onde for seguro, observando que os riscos de não fazê-lo incluem isolamento social e dados perdidos sobre abuso físico e depressão.

Enquanto enormes áreas dos Estados Unidos passavam por picos de infecção no verão e Washington se recusava a fornecer financiamento extra às escolas, muitos professores e seus sindicatos pressionaram os distritos a adotarem o ensino à distância. Brad Marianno, professor assistente da Universidade de Nevada, em Las Vegas, que está monitorando as negociações sindicais, diz que o trabalho de Emily Oster permite que os pais, impacientes para trazerem seus filhos de volta às salas de aula, deem força a seus argumentos usando dados e não apenas sentimentos. “Quando você começa a trazer evidências para a negociação, isso permite que você também tenha influência”, diz ele.

Uma questão que Oster levantou em favor da reabertura é a transmissão infantil. Os dados coletados no início da pandemia indicaram que as crianças não eram vetores eficientes do vírus. Mas estudos recentes sugerem cada vez mais o contrário, diz Zoë Hyde, pesquisadora sênior da Universidade do Oeste da Austrália. Ela pede mais cautela como resultado, dizendo que as escolas não devem reabrir até que a contagem de casos de uma área caia abaixo do que o rastreamento de contato possa controlar com rapidez. “É verdade que o fechamento de escolas está associado a prejuízos”, ela me disse. “No entanto, eu diria que esse prejuízo  é muito maior que o de uma epidemia não mitigada.” Emily Oster não se convence. Ela continua a argumentar que crianças mais novas podem voltar à escola com segurança mais cedo do que as mais velhas, mesmo em comunidades onde as taxas de testes positivos excedam o limite de 5% da OMS, contanto que os protocolos de segurança estejam em vigor. As evidências mostram que as crianças raramente ficam gravemente doentes e costumam ser assintomáticas. Elas também se beneficiam muito com instruções presenciais.

Algumas pessoas ficam surpresas com os cálculos de Oster. Crianças assintomáticas, observa Hyde, “têm potencial para serem vetores silenciosos”. Como um professor escreveu a Emily Oster em julho: “Eu me sinto mal ao ver que minha vida está sendo manipulada como se não importasse e tudo o que importa são as crianças”.

Na visão de Emily, “fazemos todos os tipos de coisas que sugerem que damos oportunidades para que pessoas venham a morrer como consequência”. As crianças vão à escola durante a temporada de gripe e as pessoas saem dirigindo seus carros e têm piscinas – tudo isso é risco de mortalidade. “Mas esse é um argumento muito difícil de  se sustentar. É um argumento muito insensível e que dá a impressão de ter maior valor à economia do que à vida”, diz ela. “Talvez uma resposta mais positiva seja que existem alguns benefícios realmente enormes.”

A capacidade de fazer uma verdadeira análise de custo-benefício – para  Oster ou qualquer um de nós – é prejudicada pela falta de dados abrangentes de infecção em ambientes de creche. Então, a economista e sua equipe em outro de seus projetos, o site Covid Explained (O COVID explicado), começaram a coletar seus próprios dados. “Parte disso é que, honestamente, estou querendo humilhar o mundo, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças afirma, a quem quer que seja, que é impossível aprender com isso”, diz ela. “Eu sou uma pessoa que tem um boletim informativo. Você precisa melhorar a maneira como coleta seus dados”.

 

Recentemente, Oster acordou às 5 da manhã de uma segunda-feira, assim como  todos os dias, com o tremor de uma faixa vibratória amarrada em seu tornozelo. (Um alarme normal perturbaria o sono de Shapiro, que dorme por mais uma hora.) Ela enviou alguns e-mails, preparou um prato de frutas para as crianças e saiu para o treino de corrida duas vezes por semana em seu clube de corrida. Emily redescobriu o esporte durante a pandemia –  “É como estar de volta às pistas de corrida do colégio, exceto com mais dores nas articulações” – e agora corre todos os dias às 6 da manhã e usa esse momento como seu tempo para pensar.

Depois de uma manhã passada fazendo malabarismos com as crianças e o trabalho e tuitando uma captura de tela mostrando que Reese Witherspoon tinha começado a segui-la, Emily Oster se instalou na frente do laptop em seu quarto que virou escritório às 13h. A governadora de Rhode Island, Gina Raimondo, estava atualizando a situação da escolaridade no outono. Os filhos de Emily Oster não paravam de correr, entrar e sair do quarto. “Vocês não entendem”, ela disse a eles. “É muito, muito importante que eu veja exatamente o que a governadora está dizendo!”

Emily Oster deu um grito de alegria enquanto Gina Raimondo falava: A maioria das escolas públicas do estado poderia reabrir presencialmente em 14 de setembro, e escolas particulares, como a que Penelope e Finn frequentam, poderiam fazê-lo imediatamente.

Quando estive com ela, dois dias depois, Emily estava radiante. “Hoje foi um dia incrível”, disse ela. “Finn foi para o jardim de infância.” Quando esta matéria foi publicada, as escolas de Rhode Island conseguiram evitar surtos em massa e continuar abertas. Muitos outros lugares não tiveram tanta sorte.

Estava mantendo contato com Robert Weyant, epidemiologista da Universidade de Pittsburgh. “Costumo ser uma pessoa cautelosa”, escreveu ele em um e-mail em 23 de setembro. “Parece que esperar para reabrir é a coisa mais prudente a se fazer. Mas temos um grande experimento natural em andamento com alguns distritos abertos e outros não – então, vamos ver brevemente se a abertura é uma boa ideia”.

Naquele mesmo dia, Oster revelou, em conjunto com uma empresa de software e vários grupos nacionais de educação, uma expansão do esforço de coleta de dados que havia começado no verão. O National Covid-19 School Response Dashboard (Painel Escolar Nacional de Resposta ao COVID-19) abrange até agora 1.006 escolas em 48 estados com 528.000 alunos e 54.000 funcionários. Durante a segunda quinzena de setembro, a taxa de infecção confirmada entre as crianças atendidas pessoalmente (tempo integral ou híbrido) foi de 0,13%. Entre funcionários foi de 0,24%. Em uma escola de 1.000 alunos e 100 funcionários, isso se traduz em 1,3 casos de alunos a cada duas semanas e um caso de funcionários a cada oito semanas. Emily Oster agora está trabalhando para identificar padrões – escolas que não exigem máscaras estão tendo mais infecções? – e planos para alertar os distritos para que possam mudar o comportamento.

Emily Oster sabe que será culpada se o experimento de reabertura terminar em desastre. Nesse caso, “o melhor que posso fazer é dizer que fiz algo que considerei produtivo e útil”, ela me disse. “Se o resultado de ter feito isso é que a postura política que defendi não estava certa, pelo menos consegui os dados para mostrar isso.”

Seria irônico, respondi, se seu próprio conjunto de dados provasse que você estava errada. “É verdade!” ela disse. “Acho que esses dados serão úteis independentemente do que apresentarmos. Mas, sim, seria irônico se eu estivesse errada mais uma vez. Talvez seja isso o que eu faço! Mas espero que não”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.