Crescimento econômico dos EUA em 2019 é revisado ligeiramente para baixo

Taxa de crescimento em 2019, de 2,2%, foi a expansão mais lenta desde 2016

O crescimento econômico dos Estados Unidos em 2019 desacelerou um pouco mais do que o estimado anteriormente uma vez que o impulso dos cortes de impostos de 1,5 trilhão de dólares desapareceu durante o último ano de uma expansão recorde, que teve um fim abrupto em fevereiro diante da pandemia global de coronavírus.

O Departamento do Comércio informou nesta quinta-feira que o Produto Interno Bruto cresceu 2,2% no ano passado, dado revisado em relação aos 2,3% estimados anteriormente , em um reflexo do fato de os gastos dos consumidores terem começado a mostrar sinais de fadiga em 2020. A taxa de crescimento em 2019 foi a expansão mais lenta desde 2016.

Nesta quinta-feira, o Departamento de Comércio também informou que o PIB americano caiu mais de 30% na taxa anualizada no 2º trimestre, devido à pandemia do novo coronavírus.

Embora os dados atualizados mostrem que o estímulo fiscal elevou o PIB para a meta de 3% da Casa Branca em 2018, o crescimento ficou abaixo dos 3,1% registrados em 2015 sob o governo do presidente Barack Obama.

O presidente Donald Trump se gabou repetidamente da economia, escrevendo no Twitter em fevereiro: “MELHOR ECONOMIA DOS EUA NA HISTÓRIA!” Na campanha em 2016, Trump afirmou que poderia aumentar o crescimento anual do PIB para 4%.

Economistas sempre advertiram que a economia não tinha capacidade de crescer 3% anualmente de forma sustentada devido à baixa produtividade, entre outros fatores.

O crescimento dos gastos do consumidor foi reduzido nos últimos seis meses de 2019, indicando uma perda da força econômica mesmo antes da pandemia de Covid-19 atingir os Estados Unidos e afundar a economia no primeiro trimestre deste ano. A economia entrou em recessão em fevereiro.

Os dados atualizados do PIB mostraram que a economia cresceu a uma taxa média anual de 2,5% de 2014 a 2019, acima dos 2,4% relatados anteriormente. Quando medido do quarto trimestre de 2014 ao quarto trimestre de 2019, o PIB aumentou a uma média não revisada de 2,3%.

A taxa de poupança foi reduzida de 7,9% para 7,5%, com a renda pessoal diminuindo 56,8 bilhões de dólares, ou 0,3% em 2019. Os lucros corporativos aumentaram 175,9 bilhões de dólares, ou 8,5%.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE