Abalada pela corrupção, economia brasileira perde status

Antes o queridinho do mundo em desenvolvimento, o país agora sofre com questões levantadas pela Lava Jato, que abalou tanto a economia quanto a sociedade

Alguns brasileiros temem que o maior escândalo de corrupção da história do país termine em pizza -- ou seja, que os acusados encontrem uma forma de escapar da Justiça.

Embora o destino deles ainda seja desconhecido, os distúrbios atingiram tanto a economia quanto a sociedade.

Estas são algumas questões pouco comentadas que estão ocorrendo no país, antes considerado o queridinho do mundo em desenvolvimento, devido à Operação Lava Jato -- investigação a respeito de subornos e corrupção que começou na estatal Petrobras e lançou seus tentáculos muito além dela.

1. Preocupação entre executivos

Com a expansão da investigação, os executivos envolvidos foram levados para celas de prisão e, de lá, viram seus nomes estampados nos jornais.

Isso teve um preço; entre os executivos consultados em março, mais de um quarto mencionou a perda de credibilidade entre seus maiores temores.

2. Captação de dinheiro

O escândalo interrompeu alguns pagamentos da Petrobras e praticamente congelou novos contratos.

As empresas envolvidas na investigação -- e muitas outras que não foram mencionadas -- sofreram rebaixamentos em suas notas de crédito e, com isso, o apetite dos investidores pelos bonds corporativos brasileiros diminuiu.

3. Escritórios vazios

A queda dos trabalhos da Petrobras -- motor da atividade industrial no Rio de Janeiro, onde a empresa mantém sua sede -- contribuiu para o declínio da absorção de espaços de escritórios de classe A, segundo Thierry Botto, diretor de transações de escritórios para o Rio na corretora de imóveis comerciais Cushman Wakefield.

O escândalo, juntamente com a queda dos preços das commodities internacionais e com a crise econômica, de uma forma geral, alçou a taxa de desocupação de imóveis do Rio ao nível mais alto em pelo menos uma década.

4. Entraves políticos

Integrantes da base aliada de Dilma Rousseff teriam se beneficiado com a corrupção, e as revelações quase diárias somadas à crise econômica empurraram o índice de aprovação da presidente para 13 por cento, uma baixa recorde, segundo o instituto de pesquisas Datafolha.

Essa fragilidade política fortaleceu os parlamentares de oposição e incentivou a insubordinação dentro da base aliada da presidente.

Dilma podia aprovar medidas no Congresso com relativa facilidade em seu primeiro mandato, mas o apoio dos aliados do seu Partido dos Trabalhadores diminuiu.

Ela precisa deles mais do que nunca para aprovar medidas de austeridade impopulares, que visam a reforçar as finanças do Brasil e evitar que o rating de crédito do país seja rebaixado para junk (grau especulativo).

“No início desta legislatura, o governo claramente perdeu sua base”, disse o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), a repórteres no dia 14 de maio. “O governo está tentando reconstruí-la”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.