Economia

Copom se reúne nesta quarta e deve cortar os juros para 11,75% ao ano

Diretores do Banco Central devem reduzir a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, segundo estimativas dos economistas

Sede do Banco Central, em Brasília (Rafa Neddermeyer/Agência Brasil)

Sede do Banco Central, em Brasília (Rafa Neddermeyer/Agência Brasil)

Antonio Temóteo
Antonio Temóteo

Repórter especial de Macroeconomia

Publicado em 13 de dezembro de 2023 às 06h06.

Os diretores do Banco Central (BC) realizam nesta quarta-feira, 13, o segundo dia de reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) e devem reduzir os juros em 0,5 ponto percentual, para 11,75% ao ano. No mercado é dado como certo um corte nessa magnitude. As dúvidas dos analistas, entretanto, estão mais ligadas aos próximos passos do colegiado e se há espaço para acelerar o ritmo de cortes.

A economista Eduarda Schmidt, da Órama Investimentos, afirmou que não espera udanças relevantes no comunicado do BC após a reunião do colegiado. Segundo ela, a conjuntura internacional melhorou em relação ao último encontro, com forte recuo nos rendimentos dos juros de longo prazo.

"Contudo, ainda existem incertezas quanto à resiliência da economia americana, principalmente no mercado de trabalho, após a divulgação de mais um payroll acima do esperado. Além disso, a persistência da inflação e dúvida acerca da duração do ciclo de política monetária nos Estados Unidos contribuem para a falta de definições", disse.

Ritmo de cortes

Segundo ela, a resiliência do mercado de trabalho e as expectativas de inflação ainda desancoradas no Brasil, além de um possível descompasso com o Federal Reserve, diminuem o incentivo do Comitê para a elevação no ritmo no curto prazo.

"Desse modo, enxergamos que o cenário é propício para uma permanência do forward guidance em relação ao atual ritmo de cortes para as próximas reuniões, que inclui as duas primeiras de 2024, e esperamos um comunicado neutro", disse.

Acompanhe tudo sobre:CopomSelicJurosBanco Central

Mais de Economia

Plano Real, 30 anos: Como a reforma das reformas foi criada? Veja 2º episódio da série da EXAME

Governo Milei anuncia venda de dólares no câmbio paralelo argentino

Argentina volta a ter alta de inflação em junho; acumulado de 12 meses chega a 271,5%

Com alíquota de 26,5%, Brasil deve ter um dos maiores IVAs do mundo; veja ranking

Mais na Exame