Comissão Europeia inicia grupo de relações com o Brasil

O objetivo do grupo de trabalho será analisar de forma mais sistemática temas econômicos bilaterais, com ênfase no investimento e na competitividade

Bruxelas - O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, pediu ao vice-presidente e comissário de Indústria e Empreendimento, Antonio Tajani, que presida por parte da União Europeia (UE) o grupo de trabalho com o Brasil, que analisará temas econômicos específicos para estreitar os laços bilaterais.

Em carta assinada por Barroso à qual a Agência Efe teve acesso, o presidente do Executivo comunitário lembra que a UE e o Brasil definiram a criação do grupo de trabalho durante a sexta cúpula entre as partes, que aconteceu no último dia 24 de janeiro em Brasília.

O objetivo do grupo de trabalho será analisar de forma mais sistemática temas econômicos bilaterais, com ênfase no investimento e na competitividade.

Por isso, o presidente da Comissão Europeia quer que Tajani trabalhe em estreita colaboração com o comissário de Comércio, Karel De Gucht, e a responsável europeia de Pesquisa e Inovação, Máire Geoghegan-Quinn, assim como com os encarregados de outras pastas se for necessário.

Tajani também deve envolver no processo a chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, e informar pontualmente os serviços da alta representante sobre a evolução dos trabalhos.


O grupo de trabalho se focará em explorar oportunidades de cooperação industrial, o que inclui os setores inovadores e tecnológicos.

Também deve estudar como fortalecer os contatos entre as comunidades empresariais, com a intenção de promover um melhor clima de negócios e de investimento, e como melhorar os intercâmbios nos campos de inovação, pesquisa e desenvolvimento industrial.

Além disso, o grupo de trabalho liderado por Tajani estudará as maneiras de simplificar o entorno administrativo para facilitar os negócios entre empresas de ambas partes e analisará como apoiar pequenas e médias empresas.

Estas tarefas bilaterais serão realizadas separadamente das negociações comerciais entre a UE e o Mercosul e pretendem beneficiar as duas partes, motivo pelo qual a agenda de temas pode variar se o Brasil solicitar, explicou Barroso.

Por outra parte, no encontro empresarial UE-Brasil que aconteceu em janeiro em paralelo à cúpula bilateral, foi estabelecida a criação de um grupo de trabalho com o mesmo objetivo: impulsionar as relações econômicas com o país.

Tajani velará pela "complementaridade e coerência" entre os dois grupos de trabalho e terá que informar Barroso pontualmente sobre o progresso do processo, com vistas à próxima cúpula bilateral que será realizada em 2014. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.