Chipre investiga crise bancária e presidente reduz salário

Os membros do governo também perderão 20% de seus pagamentos

Nicósia – O governo cipriota nomeou nesta quinta-feira uma comissão integrada por três antigos juízes da Suprema Corte para investigar eventuais atos criminosos na origem da crise bancária da ilha, indicou um conselheiro presidencial, que acrescentou que o presidente havia reduzido seu salário em 25%.

A equipe será encarregada de determinar se há “responsabilidades criminais, civis ou políticas” na origem da crise bancária, disse à imprensa o vice-secretário da presidência, Constantinos Petrides.

“O conjunto das decisões, dos atos e das omissões a todos os níveis (…) terá que ser examinado”, afirmou.

O conselheiro também informou que o presidente do Chipre, Nicos Anastasiadis, decidiu reduzir seu salário em 25%, e que os membros de seu governo também perderão 20% de seus pagamentos.

O presidente “já autorizou que seu salário seja reduzido em 25%”, afirmou Petrides. Tanto Anastasiadis quanto os membros do gabinete também renunciaram ao décimo-terceiro salário ao qual têm direito.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.