A página inicial está de cara nova Experimentar close button

China teve sinais de recuperação no comércio externo em março, diz governo

Tantos as exportações quanto as importações se recuperaram parcialmente em março, após sofrerem fortes quedas no primeiro bimestre

O comércio externo e o consumo doméstico da China deram sinais de melhora em março, depois que o governo fez progressos no combate ao coronavírus e se esforçou para reiniciar a atividade econômica, segundo o Ministério de Comércio do país.

Tantos as exportações quanto as importações se recuperaram parcialmente em março, após sofrerem fortes quedas no primeiro bimestre, afirmou hoje o porta-voz do ministério, Gao Feng. Ele ressaltou, porém, que o setor exportador chinês continua enfrentando obstáculos ligados à disseminação do coronavírus no exterior.

Alguns exportadores pesquisados pelo ministério dizem que encomendas foram canceladas por clientes externos, sendo que as da indústria têxtil e de vestuário foram particularmente afetadas pela pandemia.

Na terça-feira (07), mais de 76% dos grandes exportadores chineses haviam retomado 70% da capacidade de produção, afirmou Gao, acrescentando que o governo vai agir para apoiar empresas e limitar o impacto do vírus.

Analistas consultados pelo The Wall Street Journal estimam que as exportações da China sofreram redução anual de 15,9% em março após a queda de 17,2% vista no primeiro bimestre, e que as importações diminuíram 10% no mesmo período, após o recuo de 4% dos primeiros dois meses do ano. A balança comercial chinesa de março será divulgada na terça-feira (14).

Após críticas feitas pelo governo dos EUA, Gao disse também que a China não restringiu exportações de produtos médicos, destacando que as vendas externas dessa categoria somaram o equivalente a US$ 1,44 bilhão em março. O porta-voz acrescentou que o governo vai endurecer a supervisão de exportações da áreas médica após relatos de que alguns produtos de baixa qualidade foram embarcados para a Europa.

Gao comentou ainda que o consumo da China já atingiu seu nível mais baixo e começa a se recuperar, depois que mais de 20 cidades distribuíram cupons com o objetivo de impulsionar os gastos das famílias

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também