A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Casa Branca mantém apelo para Opep "fazer mais" por preço do petróleo

Demanda mundial se recuperou mais rápido do que o previsto, e os altos preços do gás natural estão estimulando algumas nações a trocar a geração de energia do gás para petróleo

A Casa Branca mantém seus apelos para que os países produtores de petróleo "façam mais" para apoiar a recuperação econômica global, disse uma autoridade nesta segunda-feira, à medida que os preços do petróleo atingem picos de diversos anos.

Um funcionário disse que o governo estava monitorando de perto o custo do petróleo e da gasolina e "usando todas as ferramentas à nossa disposição para enfrentar as práticas anticompetitivas nos mercados de energia dos Estados Unidos e globais para garantir mercados de energia confiáveis e estáveis".

Isso levantou preocupação de alto nível com vários membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, conhecidos como Opep+, de acordo com o funcionário.

A marca de referência Brent está em um nível não visto desde 2018, enquanto os preços do petróleo dos EUA tocaram máximas não atingidas desde 2014, devido a uma combinação de fatores. A demanda mundial se recuperou mais rápido do que o previsto, e os altos preços do gás natural estão estimulando algumas nações a trocar a geração de energia do gás para petróleo.

Enquanto isso, a Opep+ manteve limites de oferta desde o início da pandemia. Em certo momento, cortou mais de 10 milhões de barris diários do mercado devido à fraca demanda. Em julho, a organização concordou em aumentar a produção em 400.000 barris por dia (bpd) para eliminar os cortes contínuos de 5,8 milhões de bpd.

O grupo produtor, liderado pela Arábia Saudita, está atento aos surtos subsequentes de coronavírus, minando a demanda e também atento às finanças dos membros, que se beneficiam dos preços mais altos.

A produção de petróleo dos EUA, que atingiu um pico próximo a 13 milhões de bpd no final de 2019, permanece muito abaixo desse nível, embora a demanda diária de combustível tenha se recuperado para os níveis pré-pandêmicos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também