Campos Neto: Mundo se preparou para depressão, mas encontrou recessão

Os Bancos Centrais esperavam ajuste entre o consumo de bens e serviços, o que não se normalizou com o fim da pandemia, afirmou Campos Neto
 (Patricia Monteiro/Getty Images)
(Patricia Monteiro/Getty Images)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 23/03/2022 10:36 | Última atualização em 24/03/2022 09:55Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta quarta-feira, 23, que o mundo se preparou para uma depressão, mas encontrou uma recessão. De acordo com o comandante do BC, durante a pandemia, com baixa mobilidade e transferência grande de recursos, as pessoas deixaram de consumir serviços e passaram a consumir bens.

Os Bancos Centrais, disse o presidente do BC brasileiro, esperavam ajuste entre o consumo de bens e serviços, o que não se normalizou com o fim da pandemia.

"Produzir bens consome mais energia do que produzir serviços. Se tive uma mudança de serviços para bens, sobro com demanda extra de energia, que começou a elevar o preço", falou Campos Neto, em evento promovido pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pela Fiesp, sobre regras fiscais.

Além disso, o presidente do BC repetiu que, se o preço da energia sobe, há incentivo para investimentos. Mas, segundo isso pela primeira vez isso não ocorreu.

Política monetária em ambiente de incerteza

Campos Neto afirmou também que o grande tópico hoje é como fazer política monetária em um ambiente de incerteza. Segundo o presidente do BC, o ambiente de incerteza já dura bastante tempo gerado por "diversos fatores".

"Se existe grande preocupação de como fazer em ambiente de incerteza, deveria existir de como fazer política fiscal em ambiente de incerteza", disse ele.


Veja Também

Recessão nos EUA vai afetar América Latina, diz Citi
Mercados
Há 5 dias • 1 min de leitura

Recessão nos EUA vai afetar América Latina, diz Citi

Commodities entram em nova fase com teste de recessão
Mercados
Há 6 dias • 4 min de leitura

Commodities entram em nova fase com teste de recessão

Morgan Stanley ainda vê risco de recessão menor que 50%
Mercados
Há uma semana • 2 min de leitura

Morgan Stanley ainda vê risco de recessão menor que 50%