Campos Neto destaca recuperação desigual entre setores e países no mundo

O comércio global está se recuperando a passo acelerado após ter sofrido retração similar à observada na crise financeira global de 2008, pontuou Campos Neto

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, destacou nesta terça-feira que a recuperação da atividade econômica segue ocorrendo de forma desigual entre países e setores no mundo.

Em apresentação durante evento fechado à imprensa do banco Santander, Campos Neto notou que, nos Estados Unidos, apesar do forte crescimento verificado no terceiro trimestre de 2020, o emprego permanece em níveis abaixo dos vigentes antes da crise, com alta das demissões.

Já na China, o consumo, a produção e o investimento privado ainda estão e níveis abaixo dos do pré-crise, destacou o presidente do BC.

Sobre inflação, Campos Neto chamou atenção para a pressão disseminada da inflação de alimentos em mercados emergentes, ainda que tenha ressaltado que, na maioria desses países, a inflação de alimentos e de serviços está mais baixa no período recente.

O comércio global está se recuperando a passo acelerado após ter sofrido retração similar à observada na crise financeira global de 2008, pontuou Campos Neto na apresentação.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

ATENÇÃO: Mudança na sua assinatura da revista EXAME. A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos apenas uma edição por mês. Saiba mais