Brasil vai melhor que pares latinos no 2º tri — mas corrida não está ganha

Análise da Oxford Economics sobre o PIB divulgado nesta terça-feira prevê que o Brasil recuperará nível pré-covid só em 2022, três meses após Chile e Peru

A reação da economia brasileira ante os impactos desastrosos da pandemia de covid-19 foi a melhor entre seus pares da América Latina no segundo trimestre, na avaliação da Oxford Economics, em resposta ao tombo de 9,7% no período, divulgado na terça-feira pelo IBGE.

A estimativa da casa de análise britânica era de uma queda de 11% do Produto Interno Bruto (PIB) ante o trimestre anterior, considerada pessimista em relação à média das previsões do mercado, de – 9,2%.

“Os dados do segundo trimestre confirmam nossa avaliação de que o Brasil foi o país menos afetado pela pandemia na América Latina”, diz relatório. “Mas, mesmo na pole position, não significa que o Brasil vai ganhar a corrida”, alerta.

Os dados da primeira metade do terceiro trimestre sugerem que a recuperação perdeu ímpeto em junho, diz a Oxford. E, como a ajuda do governo será retirada ainda em 2021, a tendência é que a o ritmo da retomada desacelere consideravelmente: “Prevemos que o Brasil recuperará seu PIB pré-pandêmico apenas no primeiro trimestre de 2022, três meses depois do Chile e do Peru”, diz.

A principal surpresa positiva no segundo trimestre foi a resiliência das exportações e importações brasileiras, segundo o relatório. A balança comercial de bens e serviços registrou alta de 1,8% nas exportações do segundo trimestre, levadas pela venda de commodities, produtos alimentícios e petróleo, enquanto que as importações recuaram 13,2%.

O movimento está muito ligado aos pedidos de comércio exterior feitos com meses de antecedência à pandemia, segundo a casa, já que a duração dos contratos firmados na Agricultura respeitam o tempo das safras. A desvalorização do real frente ao dólar, mais acentuada no país em meio à crise, também tem beneficiado o setor, já que as vendas dos produtores brasileiros para fora são feitas em dólar.

“A única surpresa negativa foi o comportamento do consumo do governo, que caiu 9% no trimestre devido à redução na demanda por saúde e educação públicas”, diz a Oxford.

Para o futuro, o cenário é mais preocupante. A previsão é que a recuperação vista, principalmente, em junho e julho vá perdendo força, como já aconteceu nas últimas semanas. A Oxford espera uma perda de 4,6% de PIB em 2020, com um crescimento de 8,2% no terceiro trimestre ante o período anterior. Para o último período do ano, o aumento deverá ser de 3,4%.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.