Economia

Brasil tem queda de 23 mil novos postos de trabalho em relação ao ano passado, após enchentes do RS

Dados do Caged foram divulgados pelo Ministério do Trabalho; novos empregos tiveram queda de 15% em relação ao ano passado

Brasil tem queda de 23 mil novos postos de trabalho em relação ao ano passado, após enchentes do RS (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images)

Brasil tem queda de 23 mil novos postos de trabalho em relação ao ano passado, após enchentes do RS (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 27 de junho de 2024 às 15h41.

Última atualização em 27 de junho de 2024 às 16h10.

Tudo sobreGoverno Lula
Saiba mais

O Ministério do Trabalho divulgou dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) nesta quinta-feira, 27.

O país teve uma queda de aproximadamente 23 mil postos de trabalho em maio deste ano, em comparação a maio de 2023. Desse montante, 22 mil postos perdidos são do Rio Grande do Sul, estado afetado pelas enchentes.

"Creio que vamos voltar a ter números positivos em agosto", disse o ministro do Trabalho, Luiz Marinho.

O saldo total de novos empregos gerados em maio de 2024 foi de 131.811, enquanto em maio de 2023 foi de 155.404. A queda na geração de empregos foi de 15,31%

"Se não fosse o RS, teríamos empatado com maio do ano anterior. Tivemos alta de novos postos em todos os estados da federação, com exceção do RS. O RS tem segmentos que estariam contratando agora. No acumulado de seis meses, poderíamos ter resultados melhores", disse a assessora especial do Ministério do Trabalho, Paula Montagner.

Acompanhe tudo sobre:CagedMinistério do TrabalhoEmpregos

Mais de Economia

Plano Real, 30 anos: Carlos Vieira e o efeito desigual da hiperinflação no povo

IPCA-15 de julho fica em 0,30%; inflação acumulada de 12 meses vai a 4,45%

Estudo aponta que 1% mais rico aumentou fortuna em R$ 226 trilhões em 10 anos

Deputados resistem a congelar emendas após anúncio de bloqueio de R$ 15 bi no Orçamento

Mais na Exame