Brasil entrou numa espiral negativa, diz El-Erian em artigo

'O Brasil está em um tipo de deslocamento financeiro de mercados emergentes que muitos esperavam que tivesse ficado na década de 1980 e início dos anos 2000"

Nova York e São Paulo - O famoso gestor Mohamed El-Erian, ex-executivo-chefe da Pimco, escreveu um artigo na quarta-feira, 23, afirmando que o Brasil precisa desesperadamente de um choque para interromper a espiral negativa que engolfou a economia.

Sem isso, em vez de uma reversão natural com a mudança do ciclo econômico, a situação poderia se deteriorar ainda mais, afetando a população mais pobre e tornando o sistema político mais disfuncional.

"O Brasil está experimentando uma repetição do tipo de deslocação financeira de mercados emergentes que muitos esperavam que tivesse ficado na década de 1980 e início dos anos 2000. Os três principais mercados financeiros estão presos em um processo mutuamente alimentado de destruição de valor. O resultado é uma horrível combinação de forte desvalorização cambial, crescentes custos de financiamento externo e taxas de juros domésticas maiores", escreve El-Erian.

Segundo ele, essas tendências prejudiciais exacerbam o risco de dois ciclos viciosos adicionais. O primeiro é a ligação entre as dívidas soberanas e os títulos corporativos.

O segundo é o elo entre o setor financeiro e as projeções para a economia real. "Quanto pior estiverem os mercados financeiros, maior o risco para a economia mais ampla, que já está lutando com uma recessão e inflação elevada".

Para El-Erian, isso pode levar a um aumento estrondoso nos custos de produção, queda na atividade, alta no desemprego, recuo nos salários reais e crescente fuga de capital.

Relatório

A Pimco é a maior gestora de bônus do mundo, com US$ 1,5 trilhão em ativos sob gestão. Em relatório divulgado ontem, ela prevê que a recessão no Brasil deve piorar ainda mais este ano e avalia que os riscos negativos para o país "são significativos".

Além disso, o ambiente político deve seguir ditando os rumos do cenário macroeconômico do país.

"Estamos prevendo que a recessão vá se aprofundar ao longo deste ano com riscos descendentes significativos na medida em que a confiança dos empresários e os investimentos continuam fracos", afirma o documento, assinado pelos analistas Richard Clarida e Andrew Balls.

"No Brasil, as perspectivas macro serão em grande parte um derivado da política interna, uma vez que o impasse no Congresso continua."

A perspectiva para o avanço do ajuste fiscal no curto prazo permanece pequena, na medida em que a turbulência política deve continuar em Brasília, destaca o relatório. Para a inflação, a expectativa é um pouco melhor.

Os índices de preços devem ficar bem acima da meta do Banco Central em 2015, mas devem começar a cair a partir do primeiro trimestre de 2016.

Um dos riscos para pressionar os preços para cima seria a forte desvalorização recente da moeda, ressalta o documento. Por outro lado, uma piora da recessão pode ajudar a reduzir as pressões inflacionárias. Mesmo assim, a Pimco não espera que o BC baixe os juros de forma significativa. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.