• AALR3 R$ 20,12 -0.25
  • AAPL34 R$ 67,70 0.50
  • ABCB4 R$ 16,71 1.15
  • ABEV3 R$ 14,13 0.64
  • AERI3 R$ 3,66 2.52
  • AESB3 R$ 10,86 0.18
  • AGRO3 R$ 31,33 0.48
  • ALPA4 R$ 21,92 2.96
  • ALSO3 R$ 18,97 -0.16
  • ALUP11 R$ 26,92 -0.55
  • AMAR3 R$ 2,69 5.91
  • AMBP3 R$ 32,49 4.50
  • AMER3 R$ 22,03 0.64
  • AMZO34 R$ 3,39 3.86
  • ANIM3 R$ 5,65 3.29
  • ARZZ3 R$ 81,67 2.78
  • ASAI3 R$ 15,83 0.70
  • AZUL4 R$ 20,91 4.19
  • B3SA3 R$ 12,25 2.85
  • BBAS3 R$ 37,80 0.61
  • AALR3 R$ 20,12 -0.25
  • AAPL34 R$ 67,70 0.50
  • ABCB4 R$ 16,71 1.15
  • ABEV3 R$ 14,13 0.64
  • AERI3 R$ 3,66 2.52
  • AESB3 R$ 10,86 0.18
  • AGRO3 R$ 31,33 0.48
  • ALPA4 R$ 21,92 2.96
  • ALSO3 R$ 18,97 -0.16
  • ALUP11 R$ 26,92 -0.55
  • AMAR3 R$ 2,69 5.91
  • AMBP3 R$ 32,49 4.50
  • AMER3 R$ 22,03 0.64
  • AMZO34 R$ 3,39 3.86
  • ANIM3 R$ 5,65 3.29
  • ARZZ3 R$ 81,67 2.78
  • ASAI3 R$ 15,83 0.70
  • AZUL4 R$ 20,91 4.19
  • B3SA3 R$ 12,25 2.85
  • BBAS3 R$ 37,80 0.61
Abra sua conta no BTG

Brasil continuará com economia 'bipolar' em 2022, mesmo com avanço do PIB

No novo episódio do podcast EXAME Política, o economista Sérgio Vale, da MB Associados, afirma que o crescimento econômico terá dicotomia entre prosperidade do agronegócio e dificuldade de emprego
Apesar de estimativas de um avanço do PIB de, pelo menos, 4% ao ano, o crescimento que acompanhará o país no ano que vem deve seguir desigual, avalia economista (Getty Images/Gustavo Minas)
Apesar de estimativas de um avanço do PIB de, pelo menos, 4% ao ano, o crescimento que acompanhará o país no ano que vem deve seguir desigual, avalia economista (Getty Images/Gustavo Minas)
Por Roberta VassalloPublicado em 10/06/2021 07:00 | Última atualização em 10/06/2021 09:15Tempo de Leitura: 5 min de leitura

A economia brasileira deverá zerar em 2021 as perdas de atividade causadas pela pandemia do coronavírus. Apesar de estimativas de um avanço do PIB de, pelo menos, 4% ao ano, o crescimento que acompanhará o país no ano que vem deve seguir desigual, mantendo o setimento de uma economia "bipolar", com prosperidade de alguns setores, como o agronegócio, e dificuldade de outros com o aumento da desigualdade e do desemprego. A avaliação é do economista-chefe da consultoria MB Associados, Sérgio Vale.

"Haverá uma economia feliz com a situação, relacionada a Estados com peso forte de commodities, mas uma parte da população, especialmente nos grandes centros urbanos que talvez esteja mais descontente, sem emprego ou com salário menor e sendo achatada pela inflação", afirmou. "Houve um aumento muito forte da desigualdade, então chegando no ano que vem, haverá uma economia bipolar voltando", pontua o economista no último episódio do podcast EXAME Política (ouça abaixo na íntegra).

As previsões para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano têm sido ajustadas para cima depois da divulgação da atividade econômica do Brasil pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no primeiro trimestre, que veio com crescimento de 1,2%, acima do esperado.

O economista pontua que os dados de atividades, como o varejo, em abril, que foi o mês com o maior impacto das medidas de contenção da segunda da covid-19, apontam para um segundo trimestre também melhor do que anteriormente esperado. "Nessa trajetória sinalizada no primeiro semestre, eu diria que a gente consegue neste ano entregar tudo o que se perdeu no ano passado, está caminhando para isso", avalia.

Com a alta dos preços da commodities, a agropecuária foi a atividade que mais cresceu no primeiro trimestre.

Ao mesmo tempo, o Brasil registrou no primeiro trimestre o recorde de desemprego da série histórica iniciada em 2012. A situação atingia 14,7 milhões de pessoas ao fim dos três primeiros meses do ano.

Mesmo com a previsão de retomada dos demais setores da economia até o final do ano, Vale acredita que o país deva entrar em 2022 ainda com a dicotomia.

"Os Estados que estão tendo forte crescimento de PIB agora são justamente os da fronteira agrícola, do centro-oeste, do interior do país", afirmou. "São Estados que têm cerca de 70% da sua economia dependendo do agronegócio. Há um estímulo forte nesse setor que acaba se espalhando para o resto das economias nessas regiões. Então a agricultura e as commodities vão dar um tom importante especialmente nessas regiões em 2022", avalia.

"O problema é justamente a outra parte. Há uma economia que está muito bem nessa questão das commodities, e há uma economia 'tradicional' que está muito mal."

Além do desemprego, que afeta 14,7% da população e se soma a um contingente adicional de 5,9% de desalentados, que desistiram de procurar emprego, e outros 30% de subocupados, o país seguirá enfrentando uma inflação elevada. A alta de preços, que foi a maior em 25 anos em maio, deve afetar principalmente a população de baixa renda.

"Há uma pressão muito maior justamente em cima de quem é mais pobre, porque os preços que estão subindo com mais intensidade são justamente aqueles dentro da cesta básica do consumidor mais pobre", ressalta.

Ampliação de auxílio e transferência de renda

Diante da situação, o economista afirma que o debate sobre a ampliação de benefícios sociais e transferência de renda será incontornável. O governo federal já sinalizou que pretende lançar um programa de renda que amplie os benefícios fornecidos hoje principalmente pelo Bolsa Família. Até lá, o ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou a extensão do auxílio emergencial até setembro a R$ 250 reais por mês.

"O papel do Estado hoje vai ter cada vez mais esse foco de ajudar a população e renda básica é um desses elementos. Essa discussão é incortonável", afirmou.

Na visão de Vale, o governo deverá encontrar espaço no Orçamento do ano que vem para lançar um aumento de benefícios. A questão foi a principal dificuldade encontrada para o avanço da discussão no Planalto no ano passado.

O orçamento de 2022 terá um espaço de cerca de 100 bilhões de reais além do que teve o deste ano, que foi o centro de uma disputa por recursos que o governo havia destinado a emendas parlamentares.

Como a regra do teto de gastos define o limite para o ano seguinte com base na inflação de meados da metade do ano anterior, o governo deverá se beneficiar da alta inflacionária atual, que em maio, no acumulado de 12 meses, chegou a 8,03%.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.