• BVSP 119.915,84 pts -0,8%
  • USD R$ 5,5448 -0,0020
  • EUR R$ 6,6665 -0,0132
  • ABEV3 R$ 15,6 -0,83%
  • BBAS3 R$ 30,1 +1,62%
  • BBDC4 R$ 23,3 -1,35%
  • BRFS3 R$ 23,86 -0,04%
  • BRKM3 R$ 51,63 -2,20%
  • BRML3 R$ 9,86 +0,41%
  • BTOW3 R$ 66,06 -2,28%
  • CSAN3 R$ 92,32 +2,65%
  • ELET3 R$ 35,42 +1,08%
  • EMBR3 R$ 14,92 -3,31%
  • Petróleo US$ 66,48 -1,01%
  • Ouro US$ 1.777,20 +0,34%
  • Prata US$ 25,84 -0,15%
  • Platina US$ 1.188,20 -1,95%

Bolsa será alavanca da economia, diz Edemir Pinto

Para o presidente da BM&FBovespa, o mercado de capitais e ações será a "grande alavanca" da economia para os próximos três a cinco anos

São Paulo - O presidente da BM&FBovespa, Edemir Pinto, afirmou que o mercado de capitais e ações será a "grande alavanca" da economia para os próximos três, quatro, cinco anos.

De acordo com ele, em decorrência de o País não ter poupança interna, ou as empresas recorrem à dívida privada própria, emitindo papéis, ou ao mercado de capitais e ações para se financiarem. A segunda opção, de acordo com o executivo, deverá ser a mais frequente nos próximos anos.

Para Edemir, não terá outro jeito porque o governo está com uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição 241) que limita gastos.

"O Tesouro e o BNDES já não têm mais dinheiro. Vamos pegar os segmentos de petróleo e gás, elétricas e construção como exemplos. Todos precisam de dinheiro. A saída é o mercado de capitais que, por sua vez tem duas alternativas. Ou faz dívida privada dele, emitindo debêntures, bonds, ou ele vem para o mercado de ações", disse o presidente da Bolsa após ter participado da 11ª edição do Desafio BM&FBovespa.

Edemir entende que a situação econômica do País está mudando para melhor e que o mercado de ações será um dos grandes beneficiados. "Estamos diante de um choque de capitalismo e 2017 será o início deste choque", disse o presidente da BM&FBovespa, citando a primeira oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da empresa de diagnósticos Alliar, após 18 meses.

O executivo contou que "tínhamos quase 70 empresas represadas por conta desta secura de IPOs no Brasil". Mas para ele, a partir do ano que vem, estas operações acontecerão com maior frequência por conta da retomada em curso da confiança na economia.

"Pela primeira vez depois de 13 anos, a equipe econômica é um time. As pessoas foram para o governo para por o trem no trilho. Não porque gostam do (presidente Michel) Temer ou do PMDB", comentou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.