Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central desta semana vai se deparar com expectativas inflacionárias mais baixas para 2023 e 2024, conforme o Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, 31. A projeção para a inflação oficial — IPCA — em 2023 voltou a recuar ante a semana anterior, de 4,90% para 4,84% — apenas 0,09 ponto porcentual acima do teto da meta deste ano (4,75%). Um mês antes, a mediana era de 4,98%.

Para 2024, foco da política monetária, a projeção baixou marginalmente, de 3,90% para 3,89%. Há um mês, era de 3,92%. A expectativa para 2025, que deve passar a ter peso minoritário nas decisões do Copom a partir desta semana, seguiu em 3,50%, contra 3,60% de quatro semanas antes. No Copom anterior, em junho, as medianas eram de 5,12%, 4,00% e 3,80% para os três anos, respectivamente.

O comitê se reúne nos dois próximos dias, com a divulgação da decisão a partir de 18h30 de quarta-feira, 2. No mercado financeiro, há consenso que o comitê iniciará os cortes da taxa Selic, hoje em 13,75%, mas os economistas estão divididos sobre o ritmo que será adotado.

Queda esperada

Conforme a pesquisa do Projeções Broadcast, 70% (62 de 88) das instituições consultadas esperam queda de 0,25 ponto porcentual, para 13,50%, já 30% (26 de 88) projetam redução de 0,50pp, para 13,25%.

Na Focus, considerando somente as 100 estimativas atualizadas nos últimos cinco dias úteis, a mediana para 2023 variou de 4 90% para 4,83%. Para 2024, a projeção de alta cedeu de 3,90% para 3,88%, considerando 99 atualizações no período.

No horizonte mais longo, de 2026, houve manutenção na estimativa em 3,50%, repetindo o porcentual de um mês antes. No fim de junho, o Conselho Monetário Nacional (CMN) fixou a meta inflacionária de 2026 em 3,0%, com intervalo de tolerância de 1 5% a 4,5%, assim como nos anos de 2024 e 2025 - o que despertou um movimento de reancoragem, especialmente em prazos mais longos. Para 2023, o alvo central é de 3,25%, com piso de 1,75% e teto de 4,75%.

As projeções do Boletim Focus continuam acima da meta. Para 2023 a mediana ainda indica estouro do objetivo a ser perseguido pelo BC pelo terceiro ano consecutivo, depois de 2021 e 2022, mas vem se aproximando do teto da meta (4,75%). Nos outros anos, as expectativas estão dentro do intervalo, mas superam o alvo central de 3,0%. Atualmente, as projeções do BC para o IPCA são de 5,0% em 2023, 3,4% em 2024 e 3,1% em 2025.

Meses

Após a surpresa favorável com o IPCA-15 de julho (-0,07%), os economistas reduziram marginalmente a expectativa de inflação do IPCA do mês no Boletim Focus desta segunda. A mediana passou de 0,10% para 0,09%. Há um mês, a expectativa era de 0,26%.

Para o IPCA de agosto, a estimativa também cedeu ligeiramente, de 0,31% para 0,30%, contra a mediana de 0,25% um mês antes. Já para setembro, a previsão para o indicador continuou em 0,28%, de 0,29% há quatro semanas.

Inflação suavizada

Os economistas do mercado financeiro atualizaram no Boletim Focus a expectativa para a inflação suavizada para os próximos 12 meses, de 4,18% para 4,11%, de 4,18% há um mês.

No fim de junho, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, anunciou ao Conselho Monetário Nacional (CMN) que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva irá editar decreto estabelecendo uma meta contínua de inflação a partir de 2025, em substituição à atual meta-calendário. Haddad e a ministra do Planejamento, Simone Tebet, não deram previsão de quando o ato do Executivo será publicado.

Como mostrou o Estadão Broadcast, o secretário-executivo do Ministério do Planejamento e Orçamento, Gustavo Guimarães, defende a continuidade da realização da justificativa sobre o descumprimento da meta uma vez ao ano, mas no caso de o IPCA estourar o teto em qualquer momento durante os 12 meses aferidos.

Câmbio

O cenário esperado para o câmbio brasileiro continuou a mostrar apreciação no Relatório de Mercado Focus desta semana. A estimativa para o câmbio este ano passou de R$ 4,97 para R$ 4,91 de R$ 5,00 um mês antes.

Para 2024, a mediana passou de R$ 5,05 para R$ 5,00, contra R$ 5,08 quatro semanas antes. A projeção anual de câmbio publicada no Focus é calculada com base na média para a taxa no mês de dezembro, e não mais no valor projetado para o último dia útil de cada ano, como era até 2020.

Com isso, o Banco Central espera trazer maior precisão para as projeções cambiais do mercado financeiro.

PIB

A mediana para a alta do Produto Interno Bruto (PIB) em 2023 continuou em 2,24%, contra 2,19% há um mês. Considerando apenas as 55 respostas nos últimos cinco dias úteis, a estimativa para o PIB no fim de 2023 diminuiu, de 2,23% para 2,21%.

Para 2024, o Relatório Focus também mostrou estabilidade no cenário de crescimento do PIB, em 1,30% ante 1,28% de um mês atrás. Considerando apenas as 50 respostas nos últimos cinco dias úteis, a estimativa para o PIB de 2024 cedeu de 1,30% para 1,25%.

Em relação a 2025, a mediana seguiu em 1,90%, ante 1,81% de quatro semanas antes. O Boletim ainda trouxe a estimativa de crescimento para 2026, que baixou de 2,00% para 1,97%, contra 1 90% de um mês atrás.

O Ministério da Fazenda aumentou sua projeção oficial para o PIB deste ano, de 1,9% para 2,5%, em meados deste mês. No Banco Central, a estimativa atual é de 2,0%, conforme o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de junho.

A estimativa para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB em 2023 sofreu alterações no Boletim Focus desta semana. A projeção passou de 60,50% para 60 40%, ante 60,60% de um mês atrás.

Para o déficit primário em relação ao PIB este ano, a mediana seguiu em 1,00%, contra 1,02% um mês antes. O Ministério da Fazenda sustenta que deve entregar um resultado deficitário de 1 0% do PIB em 2023, ou menor. Já a estimativa para o déficit nominal este ano se manteve em 7,45% do PIB, de 7,74% há um mês.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

Para 2024, a estimativa para a dívida líquida variou de 63,95% para 63,90%. Há quatro semanas, a expectativa era maior, de 64 00% do PIB. Já o déficit primário esperado para 2024 se manteve em 0,80%, longe da meta prevista pelo governo de resultado neutro (0% do PIB), enquanto o déficit nominal passou de 7,00% para 6,90% do PIB. Há um mês, os porcentuais eram de 0,80% e 7 00%, nessa ordem.

Déficit em c/c

Os economistas do mercado financeiro elevaram a estimativa de déficit em conta corrente do balanço de pagamentos para 2023 no Boletim Focus agora divulgado. A projeção deficitária variou de US$ 42,00 bilhões para US$ 42,90 bilhões, ante US$ 43,22 bilhões de um mês atrás. Para o próximo ano, a estimativa de déficit continuou em US$ 50,00 bilhões, ante US$ 50,40 bilhões há quatro semanas.

Em relação ao superávit da balança comercial em 2023, a projeção cedeu de US$ 67,56 bilhões para US$ 66,00 bilhões, contra US$ 63 76 bilhões há um mês. Para 2024, a mediana superavitária continuou em US$ 60,00 bilhões, de US$ 55,65 bilhões quatro semanas antes.

Os analistas consultados semanalmente pelo BC avaliam que o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será mais do que suficiente para cobrir o rombo em transações correntes neste e no próximo ano.

A mediana das previsões para o IDP em 2023 seguiu em US$ 80 bilhões, de US$ 79,50 bilhões há um mês. Para 2024, a estimativa foi mantida em US$ 80,00 bilhões pela 26ª vez.

Selic

Os economistas consultados pelo Boletim Focus continuam a projetar que a taxa Selic deve ter sua primeira queda esta semana, com um ritmo de 0,25 ponto porcentual, para 13,50%, conforme a mediana do Sistema de Expectativas de Mercado do Banco Central, base para a Focus. O Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne na terça (dia 1º) e quarta-feira (2) para definir o novo patamar dos juros básicos da economia brasileira, que estão parados em 13,75% desde agosto do ano passado.

Conforme a pesquisa do Projeções Broadcast, 70% (62 de 88) das instituições consultadas esperam queda de 0,25 ponto porcentual do juro, para 13,50%, já 30% (26 de 88) projetam redução de 0 50pp, para 13,25%. Na curva de juros, por sua vez, está precificada uma chance maior de a redução da Selic esta semana ser de 0,50 ponto.

No Sistema de Expectativas, as medianas para as três reuniões do Copom posteriores a agosto são de corte de 0,50 ponto. Para o fim de 2023, a mediana na Focus permaneceu em 12,00% ao ano, mas houve baixa para os anos seguintes: 9,50% para 9,25% no término de 2024, 9,00% para 8,75% no encerramento de 2025 e 8,63% para 8 50% no final de 2026.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Mercosul e UE anunciam avanços nas negociações e esperam concluir acordo rapidamente

Economia

Mercosul e UE anunciam avanços nas negociações e esperam concluir acordo rapidamente

Há 4 horas

É importante que a UE tenha relações comerciais estáveis com a China, diz von der Leyen

Economia

É importante que a UE tenha relações comerciais estáveis com a China, diz von der Leyen

Há 4 horas

Mercosul e Singapura assinam acordo de livre comércio, o primeiro com país asiático

Economia

Mercosul e Singapura assinam acordo de livre comércio, o primeiro com país asiático

Há 5 horas

Importações e exportações da China nos primeiros 11 meses permanecem estáveis

Economia

Importações e exportações da China nos primeiros 11 meses permanecem estáveis

Há 6 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

“A geração de energia caminha lado a lado com o desenvolvimento econômico”, diz Paulo Câmara

“A geração de energia caminha lado a lado com o desenvolvimento econômico”, diz Paulo Câmara

Desktop investe no interior e alcança 1 milhão de clientes de internet banda larga em São Paulo

Desktop investe no interior e alcança 1 milhão de clientes de internet banda larga em São Paulo

CPFL fortalece sua estratégia ESG com compromissos ambiciosos para 2030

CPFL fortalece sua estratégia ESG com compromissos ambiciosos para 2030

Uso de dados será principal desafio na gestão de pessoas em 2024

Uso de dados será principal desafio na gestão de pessoas em 2024

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais