BNDES pretende captar R$ 8 bilhões com emissões de títulos

Neste ano, o banco já captou em torno de R$ 3 bilhões com Letras de Crédito do Agronegócio

Rio de Janeiro - Na estratégia de diversificar suas fontes de captação, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pretende captar em torno de R$ 8 bilhões com emissões no mercado brasileiro.

Neste ano, o banco já captou em torno de R$ 3 bilhões com Letras de Crédito do Agronegócio (LCA), mas a estratégia tem limites, pois essas fontes são mais caras e servem apenas para os montantes de crédito do BNDES emprestados com taxas de mercado.

Até o fim do ano, a captação com LCAs poderá chegar a de R$ 4 bilhões a R$ 5 bilhões, informou o superintendente da Área Financeira do banco, Selmo Aronovich, em entrevista à reportagem.

As emissões de LCA são lastreadas na carteira de crédito do agronegócio do banco, mas os recursos levantados podem ser usados para qualquer tipo de empréstimo, explicou o executivo.

Além disso, segundo Aronovich, o BNDES está estudando emitir outros títulos, como Letras Financeiras (Lfs).

As emissões fazem parte da estratégia do BNDES de diversificar suas fontes de captação, já que o Ministério da Fazenda decidiu suspender os aportes do Tesouro Nacional por meio de empréstimos e o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), fonte principal do BNDES conforme definido na Constituição Federal, vem apresentando saldos negativos nos últimos anos.

Conforme Aronovich, a diversificação de fontes de captação poderia ser maior, se houvesse mais demanda por recursos do banco de fomento com juros de mercado.

"A carteira do BNDES tem lastro para emitirmos R$ 20 bilhões em LCA, mas não tem demanda para isso", disse o executivo.

A demanda é pequena porque as empresas vão ao BNDES em busca dos juros subsidiados.

Os recursos do FAT e, a partir de 2009, os aportes do Tesouro, são baseados na TJLP (a taxa de juros de longo prazo, hoje em 6,5% ao ano), referência dos financiamentos do banco de fomento.

A captação com LCAs e LFs é referenciada na taxa básica de juros (Selic, hoje em 14,25%). As LFs tendem a ter custo ainda maior que as LCAs, pois os papéis atrelados ao agronegócio são isentos de Imposto de Renda para o investidor.

Assim, os recursos captados com LCA e LFs têm que ser direcionados para empréstimos com juros mais caros para evitar o descasamento entre as taxas de captação e de concessão de crédito, explicou Aronovich.

Desde que mudou sua política operacional, para reduzir a participação do crédito subsidiado, o BNDES passou a oferecer aos clientes a possibilidade de o cliente complementar o financiamento com taxas mais caras, mas a demanda por esse complemento ainda não chega ao potencial de captação do banco.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.