• AALR3 R$ 19,66 -0.71
  • AAPL34 R$ 72,10 -4.35
  • ABCB4 R$ 16,18 0.31
  • ABEV3 R$ 14,30 2.51
  • AERI3 R$ 3,88 -3.00
  • AESB3 R$ 10,73 1.23
  • AGRO3 R$ 31,23 0.58
  • ALPA4 R$ 22,08 1.05
  • ALSO3 R$ 19,26 1.16
  • ALUP11 R$ 26,20 1.75
  • AMAR3 R$ 2,14 5.94
  • AMBP3 R$ 27,94 -1.10
  • AMER3 R$ 22,30 3.24
  • AMZO34 R$ 68,79 -0.74
  • ANIM3 R$ 4,90 0.82
  • ARZZ3 R$ 79,74 0.30
  • ASAI3 R$ 15,18 0.13
  • AZUL4 R$ 18,51 -0.48
  • B3SA3 R$ 11,74 3.99
  • BBAS3 R$ 34,85 1.63
Abra sua conta no BTG

BC reduz projeção de crescimento do PIB em 2018 a 1,3%

Para o próximo ano, a projeção para a expansão da atividade econômica foi mantida em 2,4 por cento
Banco Central piorou ligeiramente sua projeção de crescimento do Produto Interno Bruto do Brasil este ano (Reuters/Ueslei Marcelino)
Banco Central piorou ligeiramente sua projeção de crescimento do Produto Interno Bruto do Brasil este ano (Reuters/Ueslei Marcelino)
Por ReutersPublicado em 20/12/2018 08:43 | Última atualização em 20/12/2018 08:43Tempo de Leitura: 1 min de leitura

Brasília - O Banco Central piorou ligeiramente sua projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil este ano a 1,3 por cento, sobre 1,4 por cento antes, atribuindo a mudança à revisão nas estatísticas das contas nacionais, que afetou a base de comparação ao elevar ligeiramente o nível do PIB de 2017.

Para o próximo ano, a projeção para a expansão da atividade econômica foi mantida em 2,4 por cento, apontou o BC em seu Relatório Trimestral de Inflação, publicado nesta quinta-feira. No documento, o BC informou que a economia segue operando com elevado nível de ociosidade, mas assinalou que a retomada econômica "tem se traduzido em redução gradual dessa ociosidade".

Em relação à política monetária, o BC reiterou mensagem divulgada desde a última semana, quando manteve a Selic em seu mínimo histórico de 6,5 por cento, ao destacar um quadro favorável para a inflação, que joga para um futuro indeterminado eventual início de aperto nos juros após deixar de mencionar essa possibilidade em suas comunicações. Voltou a alertar, contudo, que os riscos altistas para o IPCA, ligados à deterioração do cenário externo para economias emergentes, permanecem relevantes e seguem com maior peso em seu balanço.