Depreciação do real traz resultados para o setor externo

A depreciação começa a traduzir-se em melhores resultados para o setor externo e para as exportações

Brasília - O Banco Central, até a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) na semana passada, tentava mostrar o lado positivo da depreciação do real ante o dólar.

No ata sobre o encontro, divulgada nesta quinta-feira, 10, a diretoria diz que essa depreciação começa a traduzir-se em melhores resultados para o setor externo e para as exportações. Essa ponderação é nova e foi incluída no parágrafo 31.

No dia da reunião, em 02 de setembro, o dólar estava em R$ 3,7530, que era o maior patamar desde 12 de dezembro de 2002.

Depois disso, no entanto, a divisa subiu ainda mais frente ao real e, depois da decisão de ontem da Standard & Poors (S&P) de tirar o grau de investimento do Brasil, esse movimento de escalada do dólar e queda do real pode se tornar um problema para o BC a ponto de ele ser obrigado a vender dólar físico, o que não é feito desde 2009.

Até às 9h34 de hoje, o dólar subia 2,50% e, no acumulado do ano, a alta da moeda era de 46,63%.

O BC reafirmou ainda que a demanda agregada continuará a se apresentar moderada no horizonte relevante para a política monetária.

"De um lado, o consumo das famílias tende a ser influenciado por fatores como emprego, renda e crédito; de outro, o financiamento imobiliário, a concessão de serviços públicos e a ampliação da renda agrícola, entre outros, tendem a favorecer os investimentos", reiterou o BC.

Todo esse cenário, somado aos desenvolvimentos no âmbito parafiscal e no mercado de ativos, além da dinâmica de recomposição de preços administrado, são, para o BC, fatores importantes do contexto no qual decisões futuras de política monetária serão tomadas para garantir a inflação em 4,5% em 2016.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.