A página inicial está de cara nova Experimentar close button

BC: aumentos de salários são risco para dinâmica de preços

Segundo análise do Banco Central, a perspectiva de aumento salarial representa risco para a trajetória da inflação

Brasília – Os aumentos salariais oferecem riscos para a trajetória da inflação, segundo análise do Banco Central (BC), divulgada no Relatório Trimestral de Inflação, hoje (29). No relatório, o BC avalia como “um risco muito importante para a dinâmica dos preços ao consumidor” a perspectiva de aumento dos salários dos trabalhadores. O Banco Central lembra que haverá concentração de negociações salariais no segundo semestre, “quando a inflação acumulada em 12 meses se encontrará em níveis próximos ao limite superior do intervalo de tolerância [6,5%]”.

Entretanto, o BC destaca que a inflação em 12 meses tende a recuar a partir do último trimestre deste ano. “Além disso, os aumentos previstos para o salário mínimo nos próximos anos podem impactar direta e/ou indiretamente a dinâmica dos preços ao consumidor.”

O Banco Central destaca ainda que “o aquecimento no mercado de trabalho leve à concessão de aumentos reais dos salários em níveis não compatíveis com o crescimento da produtividade, o que, de acordo com algumas evidências disponíveis, aparentemente tem ocorrido em certos setores”.

Segundo o BC, em ambiente de demanda por produtos e serviços aquecida, aumentos de salários tendem a ser repassados aos preços ao consumidor. No relatório, a autoridade monetária também avalia que há “resistências importantes à queda da inflação no Brasil”. “Mecanismos de indexação de preços, mesmo que informais, reduzem a sensibilidade da inflação às flutuações da demanda”.

No cenário externo, o principal risco inflacionário decorre do comportamento dos preços das commodities (produtos primários) nos mercados internacionais. Entretanto, segundo o BC, desde o último relatório, em março, esse risco diminuiu, “embora a perspectiva para a evolução dos preços das commodities nos mercados internacionais, inclusive petróleo, ainda se apresente envolta em incerteza”.

Segundo o relatório, “o menor otimismo quanto ao ritmo de crescimento da economia mundial contribuiu para interromper a escalada dos preços das commodities e para reduzir a possibilidade de ocorrência de nova rodada de aumentos significativos”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também