Bancos centrais podem elevar riscos ao aumentar juros ao mesmo tempo

De acordo com o Banco Mundial, o número de aumentos de taxas foi o mais alto em julho desde 1970
 (Kevin Lamarque/Reuters)
(Kevin Lamarque/Reuters)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 25/09/2022 às 13:21.

Os bancos centrais ao redor do mundo estão aumentando os juros no aperto mais generalizado da política monetária já registrado. Alguns economistas temem que possam ir longe demais se não levarem em conta seu impacto coletivo na demanda global.

De acordo com o Banco Mundial, o número de aumentos de taxas anunciados pelos bancos centrais em todo o mundo foi o mais alto em julho desde que os registros começaram no início da década de 1970.

Na quarta-feira, o Federal Reserve apresentou seu terceiro aumento de 0,75 ponto percentual em tantas reuniões. Na semana passada, seus pares na Indonésia, Noruega, Filipinas, África do Sul, Suécia, Suíça, Taiwan e Reino Unido também subiram juros.

Além disso, o tamanho desses aumentos de taxa é maior do que o normal. Em 20 de setembro, o Riksbank da Suécia aumentou sua taxa de referência em um ponto percentual. Até então, nunca havia aumentado ou reduzido as taxas em mais de meio ponto desde que adotou sua estrutura atual em julho de 2002.

Por que alta de juros global pode ser novo entrave para economia do Brasil

Esses bancos centrais estão respondendo quase universalmente à alta inflação. A inflação no G-20, grupo das 20 principais economias do mundo, foi de 9,2% em julho, o dobro da taxa do ano anterior, segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Taxas mais altas esfriam a demanda por bens e serviços e tranquilizam as famílias e as empresas de que a inflação será reduzida no próximo ano.

Mas alguns temem que os bancos centrais estejam efetivamente buscando respostas locais para o que é um problema global de excesso de demanda e preços altos. Eles alertam que os bancos centrais como um grupo irão longe demais - e empurrarão a economia mundial para uma recessão mais profunda do que o necessário.

"O perigo atual não é tanto que os movimentos atuais e planejados acabem por falhar em conter a inflação. É que eles coletivamente vão longe demais e levam a economia mundial a uma contração desnecessariamente dura.", escreveu Maurice Obstfeld, ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), no início deste mês em uma nota para o Instituto Peterson de Economia Internacional, onde é membro sênior.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Há poucos sinais de que os bancos centrais vão fazer uma pausa e fazer um balanço do impacto de seus aumentos de taxas até o momento. O Fed indicou na quarta-feira que provavelmente aumentará as taxas de 1 ponto percentual para 1,25 ponto percentual nas próximas duas reuniões.

Economistas do JPMorgan esperam que banqueiros centrais do Canadá, México, Chile, Colômbia, Peru, zona do euro, Hungria, Israel, Polônia, Romênia, Austrália, Nova Zelândia, Coreia do Sul, Índia, Malásia e Tailândia elevem as taxas em reuniões de política programadas durante o final de outubro.

Essa é uma série de poder de fogo do banco central com poucos precedentes. Mas todos eles precisam estar fazendo tanto se todos estão fazendo a mesma coisa?

A maioria dos economistas aceita que a inflação em qualquer país não se deve apenas a forças dentro desse país. A demanda global também afeta os preços de bens e serviços facilmente negociados. Isso tem sido evidente com commodities como petróleo; um boom na China elevou os preços em 2008, mesmo quando os EUA entraram em recessão.

Também tem sido verdade nos últimos anos para produtos manufaturados, cujos preços foram impulsionados em todo o mundo por interrupções nas cadeias de suprimentos, como nos portos asiáticos, e demanda elevada por estímulos governamentais. Um estudo do Fed descobriu que o estímulo fiscal dos EUA aumentou a inflação no Canadá e no Reino Unido.

Mas o foco de um banco central individual em combinar oferta e demanda em nível nacional pode ir longe demais, porque outros bancos centrais já estão enfraquecendo a demanda global, que é um dos motores da inflação nacional. Se cada banco central fizer isso, o excesso de aperto global pode ser significativo.