Arrecadação federal de impostos fica em R$ 180,2 bi em janeiro

O valor arrecadado foi o segundo maior para meses de janeiro da série, que tem início em 2008

arrecadação de impostos e contribuições federais somou R$ 180 221 bilhões em janeiro, um recuo real (já descontada a inflação) de 1,5% na comparação com o mesmo mês de 2020. Em relação a dezembro do ano passado, houve aumento real de 13,02%.

O valor arrecadado foi o segundo maior para meses de janeiro da série, que tem início em 2008, ficando atrás apenas do primeiro mês de 2020, quando foi R$ 182,969 bilhões, em valores corrigidos.

O resultado de janeiro de 2021 veio dentro do intervalo de expectativas de 19 instituições ouvidas pelo Projeções Broadcast que ia de R$ 166,528 bilhões a R$ 190 bilhões, com mediana de R$ 175 bilhões.

Desonerações

As desonerações concedidas pelo governo resultaram em uma renúncia fiscal de R$ 7,910 bilhões em janeiro deste ano, valor maior do que em igual período do ano passado, quando ficou em R$ 6,703 bilhões.

A principal renúncia foi relacionada ao Simples e ao programa Microempreendedor individual, de R$ 1,301 bilhão.

A desoneração da folha de pagamentos custou aos cofres federais R$ 422 milhões em janeiro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.