Economia

Argentina anuncia medidas para limitar inflação e desvalorização do peso

Medidas incluem abonos fiscais e o pagamento de bônus extraordinários a trabalhadores e aposentados

Pesos: governo argentino anunciou linhas de crédito a taxas subsidiadas para trabalhadores, e bônus para aposentadorias e para aqueles que recebem ajuda alimentar. (Manuel Augusto Moreno/Getty Images)

Pesos: governo argentino anunciou linhas de crédito a taxas subsidiadas para trabalhadores, e bônus para aposentadorias e para aqueles que recebem ajuda alimentar. (Manuel Augusto Moreno/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 28 de agosto de 2023 às 07h48.

O governo argentino lançou medidas para tentar fortalecer o consumo, limitar o impacto da desvalorização do peso e enfrentar a inflação, que supera 100% ao ano, anunciou neste domingo o ministro da Economia, Sergio Massa.

As medidas incluem abonos fiscais e o pagamento de bônus extraordinários a trabalhadores e aposentados, no contexto do Programa de Fortalecimento da Atividade Econômica e do Salário.

"O objetivo central é que cada um dos setores da economia tenha, de alguma forma, o apoio do Estado", explicou, no Instagram, Massa, candidato à Presidência pelo governista União pela Pátria.

"A Argentina tem um empréstimo junto ao Fundo Monetário Internacional desde 2018, que forçou uma desvalorização da nossa moeda nos últimos dias, e a pior seca da nossa história, que prejudicou nossas reservas e contas, mas que também atingiu a economia de muitas famílias", ressaltou o ministro.

Bônus e créditos

Entre os anúncios, está a criação de um fundo, para financiar exportações, de US$ 770 milhões, com aportes do Banco Nación e do Banco de Inversión y Comercio Exterior (Bice).

O governo também anunciou a eliminação de impostos sobre a exportação de produtos agrícolas com valor industrial agregado, como vinho, arroz e tabaco, e a entrega de fertilizantes. O governo estimou o prejuízo global deste ano devido à seca em US$ 20 bilhões, ou quase 3% do PIB.

Por outro lado, Massa anunciou linhas de crédito a taxas subsidiadas para trabalhadores, e bônus para aposentadorias e para aqueles que recebem ajuda alimentar.

A bateria de medidas é anunciada após a desvalorização do peso em cerca de 20%, realizada pelo Banco Central neste mês, e o aumento em 21 pontos percentuais da taxa de referência, para 118% ao ano, decisões que desencadearam uma aceleração na subida dos preços.

As medidas também são lançadas em meio à campanha eleitoral, após os resultados das primárias, em que o candidato da extrema direita, Javier Milei, foi o mais votado (30%), seguido pela oposição de direita Juntos pela Mudança (28,3%) e pelo governista União pela Pátria (27,3%), que consagrou Massa como candidato à Presidência.

Acompanhe tudo sobre:ArgentinaCrise econômica

Mais de Economia

Alckmin: reforma tributária vai ampliar investimentos e exportações

Brasil tem déficit em conta corrente de US$ 4 bi em junho, mostra Banco Central

Arrecadação federal cresce 11,02% em junho e chega a R$ 208,8 bilhões

Plano Real, 30 anos: Carlos Vieira e o efeito desigual da hiperinflação no povo

Mais na Exame