Economia

ANTT atualiza piso mínimo do frete rodoviário; reajuste médio é de 9,64%

Os efeitos dos reajustes nos fretes, porém, variam conforme o tipo de carga, número de eixos, distância do deslocamento e tipo de operação

 (Ueslei Marcelino/Reuters)

(Ueslei Marcelino/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 21 de janeiro de 2022 às 13h57.

Última atualização em 21 de janeiro de 2022 às 14h10.

A Agência Nacional de Transportes Terrestre (ANTT) publicou nesta sexta-feira, 21, tabela com os novos preços mínimos de frete rodoviário, com reajuste médio de 9,64%. Os efeitos dos reajustes nos fretes, porém, variam conforme o tipo de carga, número de eixos, distância do deslocamento e tipo de operação. A atualização dos valores foi publicada na edição do Diário Oficial da União (DOU) desta sexta e foi deliberada em reunião da diretoria da agência estatal realizada na quinta-feira.

Segundo a ANTT, a atualização considerou parâmetros mercadológicos, que representam 80% do custo total do transporte. São eles: o preço do óleo diesel S10, o salário dos motoristas, o preço do pneu e o valor de aquisição do veículo-trator.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam seu bolso.

Para as demais variáveis que influenciam no custo de transporte, a ANTT atualizou os valores pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 5,856420%.

Pela legislação, a ANTT tem de reajustar a tabela do frete a cada seis meses ou quando a variação do preço do diesel for igual ou superior a 10% — quando é acionado o mecanismo de gatilho.

O último reajuste pelo mecanismo do gatilho foi feito em 19 de outubro e o semestral mais recente foi em 15 de julho. A Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas foi instituída em agosto de 2018.

Acompanhe tudo sobre:ANTTCaminhões

Mais de Economia

Novos dados aumentam confiança do Fed em desaceleração da inflação, diz Powell

Lula pede solução de contradições de europeus para acordo com Mercosul

Crescimento econômico da China desaponta e pressiona Xi Jinping

Prévia do PIB: IBC-Br sobe 0,25% em maio, após estabilidade em abril

Mais na Exame