Analistas dizem que há chance de deflação recorde no 3º trimestre

Uma alta de até 0,18% no mês levaria o IPCA a uma deflação de 0,86% no período de julho a setembro
Os cortes de preços da gasolina estão por trás das expectativas de deflação em setembro (Gearstd/Thinkstock)
Os cortes de preços da gasolina estão por trás das expectativas de deflação em setembro (Gearstd/Thinkstock)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 11/09/2022 às 09:05.

As desonerações promovidas pelo governo e os cortes de preços da gasolina anunciados pela Petrobras podem fazer com que o IPCA registre neste terceiro trimestre a maior deflação trimestral do Plano Real. Após dois meses seguidos de queda dos preços, em julho e agosto, economistas ouvidos pelo Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) agora monitoram a chance de uma nova taxa negativa em setembro.

Uma alta de até 0,18% no mês levaria o IPCA a uma deflação de 0,86% no período de julho a setembro, mais intensa do que a queda de 0,85% registrada no terceiro trimestre de 1998 — a maior do Plano Real até agora.

Mas a chance de uma taxa negativa em setembro já aparece nas estimativas preliminares de casas como Greenbay Investimentos (-0,20%), Bank of America (-0,15%), XP Investimentos (-0,14%) e Barclays (-0,10%).

Os cortes de preços da gasolina estão por trás das expectativas de deflação em setembro. Desde julho, a Petrobras diminuiu quatro vezes o valor cobrado pelo combustível.

"Devemos ter uma nova deflação da gasolina e do etanol, e isso deve garantir mais uma deflação (do índice cheio)", disse o economista-chefe da Greenbay Investimentos, Flávio Serrano, comentando as expectativas para setembro.

Caso a queda prevista se concretize, o IPCA ficará em terreno negativo por três meses consecutivos pela primeira vez desde 1998, após ceder 0,68% em julho e 0,36% em agosto.

Em relatório a clientes, o chefe de Economia para Brasil e Estratégia para América Latina do BofA, David Beker, acrescenta às pressões de baixa para setembro o alívio de alimentos: "As pressões sobre alimentação e bebidas desaceleraram, seguindo a recente queda dos preços de commodities, e a inflação de preços livres também deve se mover nessa direção."

LEIA TAMBÉM:

O que é deflação e como ela impacta a economia no Brasil?

Mesmo com dois meses seguidos de deflação, mercado ainda vê espaço para alta de juros