Economia

Americanos esgotam poupança da pandemia que impulsionou economia

Isso remove um suporte fundamental para os gastos do consumidor que impulsionaram a economia dos EUA este ano

EUA: os dirigentes do Fed reconheceram esse impulso, ao mesmo tempo em que sugeriram que a dinâmica poderia desaparecer em breve (Adam Gault/Getty Images)

EUA: os dirigentes do Fed reconheceram esse impulso, ao mesmo tempo em que sugeriram que a dinâmica poderia desaparecer em breve (Adam Gault/Getty Images)

Bloomberg
Bloomberg

Agência de notícias

Publicado em 17 de agosto de 2023 às 14h58.

O excesso de poupança que as famílias americanas acumularam durante a pandemia provavelmente se esgotará no atual trimestre, segundo pesquisa da regional do Federal Reserve em San Francisco. Isso remove um suporte fundamental para os gastos do consumidor que impulsionaram a economia dos EUA este ano.

“Nossas estimativas atualizadas sugerem que as famílias detinham menos de US$ 190 bilhões em excesso de poupança agregada até junho”, disseram os pesquisadores Hamza Abdelrahman e Luiz Oliveira em um post no site da instituição.

“Há uma incerteza considerável nas perspectivas, mas estimamos que essas economias em excesso provavelmente se esgotarão durante o terceiro trimestre de 2023.”

No início deste ano, Abdelrahman e Oliveira publicaram uma pesquisa estimando que US$ 500 bilhões em excesso de poupança permaneceram nos balanços das famílias em março de 2023, após atingir US$ 2,1 trilhões em agosto de 2021. Mas as revisões dos dados do governo desde então mudaram o cenário.

“O Bureau of Economic Analysis revisou recentemente suas estimativas anteriores e mostrou que a renda disponível das famílias era menor e o consumo pessoal era maior do que o relatado anteriormente para o quarto trimestre de 2022 e primeiro trimestre de 2023”, disse a dupla.

Excesso da poupança ajudou a economia dos EUA

Segundo a maioria dos especialista, o excesso de poupança acumulada durante a pandemia ajudou a economia dos EUA a desafiar continuamente as previsões de recessão este ano, mesmo diante do ciclo mais agressivo de aumentos de juros em várias décadas.

Em sua reunião de política monetária de julho, os dirigentes do Fed reconheceram esse impulso, ao mesmo tempo em que sugeriram que a dinâmica poderia desaparecer em breve, de acordo com a ata do Comitê Federal do Mercado Aberto (FOMC) publicada nesta quarta-feira.

“Espera-se que as condições financeiras apertadas, refletindo principalmente o efeito cumulativo da mudança do comitê para uma política restritiva, contribuam para um crescimento mais lento do consumo no próximo período”, disse a ata.

“Os participantes citaram outros fatores que provavelmente levaram a, ou pareciam consistentes com, uma desaceleração no consumo, incluindo o declínio do excesso de poupança, suavização das condições do mercado de trabalho e sensibilidade maior aos preços por parte dos clientes”.

Acompanhe tudo sobre:DólarEstados Unidos (EUA)

Mais de Economia

Plano Real, 30 anos: Jorge Gerdau e o 'divisor de águas' no desenvolvimento do país

Após enchentes, atividade econômica no RS recua 9% em maio, estima Banco Central

Lula se reúne hoje com equipe econômica para discutir bloqueios no Orçamento deste ano

CCJ do Senado adia votação da PEC da autonomia financeira do BC

Mais na Exame