América Latina mira bilhões de pensões como opção de benefício

Permissão para saques da aposentadoria tem sido considerada no Brasil e em seus vizinhos como forma de atenuar queda no consumo

A Colômbia entra para a lista de países da América Latina que estudam um plano para permitir que trabalhadores acessem recursos da previdência privada, uma medida destinada a atenuar a queda dos gastos de consumidores, mas que corre o risco de agravar as perdas em mercados acionários já com fraco desempenho.

Um projeto de lei enviado ao Congresso nesta semana permitiria que alguns colombianos acessem até 10% das reservas para a aposentadoria. O Chile aprovou medida semelhante neste mês, e o Peru deu sinal verde para um projeto em abril. O governo brasileiro também estuda permitir que trabalhadores façam saques parciais de fundos de pensão que ainda não oferecem essa opção, de acordo com relatório da Previc.

No Peru e no Chile, as medidas foram aprovadas apesar da oposição do governo e conquistaram apoio popular, pois milhões perderam o emprego em meio à crise econômica. O governo da Colômbia também se opõe à ideia.

Parlamentares da região analisam se recursos de fundos de pensão poderiam ajudar trabalhadores a enfrentar a pior crise econômica em décadas já que, sem dinheiro, os governos não fornecem uma rede de segurança adequada. No entanto, as medidas ameaçam obrigar gestores de fundos a venderem ativos em mercados onde a demanda é fraca e a liquidez baixa.

“É um alívio do fluxo de caixa, mas é perigoso”, disse Catalina Tobon, chefe de estratégia da unidade de fundos de pensão da Skandia, em Bogotá. “As pensões devem ser sagradas, e as pessoas estão perdendo décadas de juros compostos.”

As propostas também contribuem pouco para ajudar a grande fração da população que trabalha no setor informal.

Piores desempenhos

No final de 2019, os membros latino-americanos da Federação Internacional de Administradores de Fundos de Pensão possuíam ativos no valor de US$ 637 bilhões. Os fundos do Chile e do México administravam mais de US$ 200 bilhões, enquanto os da Colômbia, US$ 86 bilhões, e os do Peru, US$ 52 bilhões.

O mercado acionário da Colômbia caiu 38% desde janeiro em dólar, a maior queda do mundo, enquanto as bolsas do Brasil e do México também estão entre os piores desempenhos.

Se os fundos de pensão forem obrigados a se desfazer de ativos em meio a grandes saques, provavelmente venderão primeiro o que for mais fácil, disse Daniel Guardiola, analista de renda variável do BTG Pactual.

“Esses saques provavelmente obrigarão gestores de fundos de pensão a venderem ativos mais líquidos: títulos soberanos e títulos internacionais”, disse Guardiola, em resposta a perguntas por escrito.

(Com a colaboração de Ezra Fieser, Michael O’Boyle e Martha Beck).

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE