Alta da Selic tem foco na inflação, diz Capital Economics

Capital Economics aponta que a decisão de subir os juros não foi unânime, com cinco votos favoráveis e três contrários

São Paulo - A surpreendente decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que elevou, na quarta-feira, 29, a taxa Selic em 0,25 ponto porcentual, é um sinal de que o novo governo da presidente Dilma Rousseff (PT) pode focar mais no combate à inflação, afirmou a consultoria britânica Capital Economics em relatório.

"O foco vai agora se voltar para os planos do governo na área fiscal, mas novos apertos nos juros provavelmente também serão necessários", diz o texto, acrescentando que a Selic pode avançar mais 0,75 ponto porcentual até o fim do primeiro trimestre do próximo ano, ficando nesse patamar pelo restante de 2015.

A Capital Economics aponta que a decisão de subir os juros não foi unânime, com cinco votos favoráveis e três contrários, mas diz que o comunicado sugere que a maioria dos membros optou pelo aperto, pois os acontecimentos desde a última reunião "tornaram o balanço de riscos para a inflação menos favorável".

Os dados realmente indicariam um aperto, já que o IPCA acumulado em 12 meses ficou em 6,75% em setembro, bem acima do teto da meta de inflação, de 6,5%. Entretanto, a consultoria comenta que esse não é um fator novo, já que essa situação foi observada nos últimos quatro meses e o IPCA-15 sugere que a inflação deve desacelerar um pouco em outubro.

"Em vez de novos desdobramentos nas projeções de inflação, nós suspeitamos de que os verdadeiros motivos por trás da elevação surpreendente de ontem à noite foram políticos", afirma o relatório. Segundo o texto, a campanha eleitoral revelou um crescente descontentamento com a gestão da economia, em especial a inflação elevada. "As autoridades provavelmente adotaram a visão de que era melhor agir cedo para reconquistar alguma credibilidade."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.