AIE: demanda global por petróleo é prejudicada por lockdowns na China

Em relatório mensal publicado nesta quarta-feira, a AIE cortou sua projeção para a demanda chinesa por petróleo este ano em 400 mil barris por dia
A China, segunda maior economia do mundo, tem sido o retardatário na demanda por petróleo (Getty Images/Getty Images)
A China, segunda maior economia do mundo, tem sido o retardatário na demanda por petróleo (Getty Images/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 14/09/2022 às 10:30.

A queda na demanda por petróleo na China, que enfrenta os efeitos de lockdowns relacionados a surtos de covid-19, está se sobrepondo ao robusto consumo em outras partes do mundo e irá restringir o avanço geral da busca pela commodity este ano, segundo avaliação da Agência Internacional de Energia (AIE).

Em relatório mensal publicado nesta quarta-feira, a AIE cortou sua projeção para a demanda chinesa por petróleo este ano em 400 mil barris por dia (bpd), a 15 milhões de bpd, 420 mil bpd a menos do que em 2021. Para 2023, a agência com sede em Paris reduziu sua previsão para o consumo chinês em 300 mil bpd, a 16 milhões de bpd.

A China, segunda maior economia do mundo, tem sido o retardatário na demanda por petróleo. Em outros países, o consumo de petróleo tem se mantido surpreendentemente alto, apesar do salto na inflação global, aumentos de juros e desaceleração econômica. No documento, a AIE avalia que o consumo nos EUA vem superando as expectativas e está forte também no Oriente Médio, onde temperaturas quentes estimulam uma demanda acima da média por geração de eletricidade a óleo.

Já na Europa, o salto nos preços do gás natural - gerado pela suspensão pela Rússia dos fluxos através do gasoduto Nord Stream 1 - ajuda a incentivar a demanda por petróleo, à medida que usinas de energia migram para a commodity. Essa tendência deverá responder por um impulso de 700 mil bpd no período de seis meses até março de 2023, diz a AIE, cerca de 150 mil bpd a mais do que a agência estimava no relatório do mês passado.

Para este ano, a AIE cortou sua projeção para o avanço na demanda global por petróleo em 100 mil bpd, a 2 milhões de bpd. No caso de 2023, a agência segue prevendo alta de 2,1 milhões de bpd na demanda. Desta forma, a AIE espera que o consumo total atinja 99,7 milhões de bpd em 2022 e 101,8 milhões de bpd no ano que vem.

A AIE também ajustou levemente para cima suas projeções de oferta global do petróleo neste ano, a 100,1 milhões de bpd, e em 2023, a 101,8 milhões de bpd.

Para a oferta fora da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), a AIE manteve sua previsão para 2022, em 65,5 milhões de bpd, mas cortou a do próximo ano em 100 mil bpd, a 66 2 milhões de bpd.

Veja também: 

Um quarto dos países emergentes têm dificuldade de pagar dívidas, aponta FMI

Etanol: venda na 2ª quinzena de agosto avança 7,51%, para 2,69 bilhões de litros