A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Água e esgoto puxam alta do IPCA em agosto

Segundo o órgão, aumentos no Rio de Janeiro, em Vitória e em Fortaleza, além da menor adesão ao programa de descontos em São Paulo impulsionaram o resultado

Rio - A taxa de água e esgoto subiu 1,46% no mês de agosto sobre julho, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou nesta sexta-feira, 05, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de agosto.

Segundo o órgão, aumentos no Rio de Janeiro, em Vitória e em Fortaleza, além da menor adesão ao programa de descontos em São Paulo (como incentivo à economia de água) impulsionaram o resultado.

"Em São Paulo, o resultado de 3,24% levou em conta a menor intensidade do efeito do Programa de Incentivo à Redução de Consumo de Água, que bonifica com 30% de redução nas contas de água e esgoto, usuários que reduzirem em 20% o consumo mensal", informou o IBGE.

Ainda segundo o instituto, houve aumento nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro (6,10%), com reajuste de 6,75% nas tarifas a partir de 1º de agosto; Vitória (5,25%), com reajuste de 5,81% na mesma data; e em Fortaleza (2,03%), onde o reajuste de 7,30% está em vigência desde 06 de julho.

Também foram destaque as variações de condomínio (1,35%), artigos de limpeza (1,31%), aluguel (0,66%) e mão-de-obra para pequenos reparos (0,66%). Apesar disso, o grupo Habitação desacelerou de 1,20% em julho para 0,94% em agosto, informou o IBGE.

Passagens áreas

As passagens aéreas subiram 10,16% em agosto, após caírem 26,86% em julho. Desse modo, o grupo Transportes reverteu a deflação registrada anteriormente e passou a subir 0,33% no mês passado.

Além disso, itens em queda no mês anterior reverteram para alta em agosto, a exemplo da gasolina (de -0,80% para 0,30%) e dos carros zero-quilômetro (de -0,29% para 0,22%). No caso do etanol (de -1,55% para -0,07%), observa-se queda menos intensa na passagem de julho para agosto.

Alimentos

Os alimentos repetiram em agosto a deflação de 0,15%, que já tinha sido observada no mês anterior. Com isso, o grupo contribuiu com -0,04 ponto porcentual no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do mês passado, que subiu 0,25%.

Considerando somente os alimentos consumidos em casa a queda foi de 0,61%. Os preços caíram em todas as regiões pesquisadas. Ficaram mais baratos de um mês para o outro a batata inglesa (-17,87%), o tomate (-5,80%) e o óleo de soja (-4,94%).

Já no item alimentação fora de casa houve alta mais intensa do que no mês anterior, de 0,71%, contra 0,52% em julho, informou o IBGE. Em 12 meses, o grupo Alimentação e Bebidas acumula alta de 7,53%, acima dos 6,51% do índice geral.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também