73% da queda do PIB de SP independe de quarentena, diz Henrique Meirelles

Dados de setores que seguem funcionando são "prova concreta de que a covid-19 é o que mais impacta a economia", diz secretário Henrique Meirelles

Cerca de 73% da perda que o Produto Interno Bruto (PIB) de São Paulo vai sofrer em função da crise do novo coronavírus independe das medidas de quarentena, aponta um estudo da Secretaria da Fazenda e Planejamento, sob gestão de Henrique Meirelles.

Em entrevista coletiva nesta segunda-feira, 11, no Palácio dos Bandeirantes, o secretário explicou que essa análise considera a “grande queda de atividade” em diversos setores que não estão sendo afetados pelas medidas de isolamento social.

“Se olharmos a queda do PIB como um todo podemos identificar que 27% da perda têm relação com a quarentena, mas as avaliações mostram que até os setores que estão funcionando vêm, sim, sofrendo grande queda da atividade. Isso é uma prova concreta de que a pandemia é o que mais impacta a economia”, disse.

Em São Paulo, desde o início da quarentena, em março, 80 atividades seguem autorizadas a funcionar, o que representa 74% das atividades econômicas do estado, segundo informou a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen, com base nos registros das Inscrições Estaduais Ativas.

De acordo com Ellen, os principais serviços em funcionamento são construção civil, hotéis, petróleo e gás, produção agropecuária, saúde, segurança privada, serviços domésticos, energia, transporte e logística. “Toda a cadeia de produção agrícola, até a ponta de distribuição, continua em perfeito funcionamento com protocolos de distanciamento e higiene bastante rígidos”, afirmou.

Ainda não há uma estimativa precisa sobre quanto será a queda da atividade econômica em São Paulo, mas a redução na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que em abril deste ano foi de 19% em relação a abril do ano passado, pode sinalizar uma forte retração econômica.

“Tivemos uma queda de cerca de 19% na arrecadação do ICMS, o que significa que há uma queda da atividade econômica que pode ser próxima desta [redução]. Uma pequena parte disso é o aumento da inadimplência, portanto esse é um dado da maior importância”, disse Meirelles.

Ele acrescentou que a arrecadação funciona como uma previsão “muito precisa” da queda de atividade econômico, já que o ICMS é um resultado direto das vendas das empresas.

Avanço da covid-19

Epicentro da pandemia no Brasil, São Paulo contabiliza nesta segunda-feira 46.131 casos confirmados da covid-19 e 3.743 óbitos. A taxa de ocupação de leitos de UTI está em 89,6% na Grande São Paulo e 68,2% no interior.

O governo anunciou um novo protocolo de testagem para forças policiais, com aplicação de teste rápido que identifica anticorpos da covid-19 no sangue. “Em um primeiro momento serão testados 35 mil policiais militares. Em uma segunda fase, os familiares deles e depois outras forças policiais, como a Polícia Civil”, disse o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas.

Questionado sobre a possibilidade de decretar lockdown de acordo com o avanço da doença, Doria voltou a dizer que “não descarta essa alternativa”, mas que ela não está no protocolo imediato. “Se houver necessidade de lockdown, ele será local. Sempre levando em conta as características do local”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.