• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Unicórnio cripto: Mercado Bitcoin recebe R$ 1 bilhão do Softbank

Banco japonês avalia empresa brasileira em mais de US$ 2 bilhões e cria primeiro unicórnio do setor de criptoativos do país
 (Divulgação/Grupo 2TM)
(Divulgação/Grupo 2TM)
Por Gabriel RubinsteinnPublicado em 01/07/2021 10:54 | Última atualização em 01/07/2021 10:54Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A 2TM, holding que controla a corretora de criptoativos Mercado Bitcoin, levantou 200 milhões de dólares com o Softbank numa rodada de investimento Série B que avaliou a empresa em 2,1 bilhões de dólares - mais de 10,4 bilhões de reais.

O Mercado Bitcoin é a principal corretora de criptoativos do Brasil e conta com cerca de 2,8 milhões de clientes, o equivalente a quase 70% do total de investidores na B3, a bolsa de valores brasileira. A avaliação coloca a empresa como a oitava maior startup da América Latina por valor de mercado.

A 10,4 bilhões de reais, o valor de mercado do Grupo 2TM é quase o dobro do market cap do banco Modal Mais, que abriu capital recentemente e tem cerca de 1 milhão de clientes, de 5,8 bilhões de reais. Entre as empresas de capital aberto brasileiras, Marfrig e Companhia Brasileira de Distribuição (GPA) têm valor de mercado semelhante ao valuation do Grupo 2TM, de 13,23 bilhões e 10,5 bilhões de reais, respectivamente.

“Milhares de pessoas pelo mundo estão percebendo que ativos digitais e criptomoedas são, ambos, tecnologias inovadoras e reservas de valor eficientes, e o Brasil não é exceção a essa tendência”, disse Roberto Dagnoni, presidente do grupo 2TM, em comunicado.

Além da bolsa, a 2TM tem a carteira digital MeuBank, a custodiante BitTrust, a plataforma de equity crowdfunding Clearbook, a plataforma educacional Blockchain Academy, o MB Digital Assets, a MezaPro e a ParMais.

“Essa rodada Série B é fundamental para o grupo seguir investindo na sua infraestrutura, atendendo à crescente demanda do mercado financeiro por soluções baseadas no uso do blockchain. Ter o Softbank Latin American Fund conosco será fundamental para concretizar essa ambição, especialmente por conta da combinação incomparável de expertise financeira, profunda experiência no setor e ampla presença regional”, acresentou Dagnoni.

“O Mercado Bitcoin se tornou um líder global em criptomoedas. Nós ficamos impressionados pela compreensão que o Grupo 2TM tem do ecossistema brasileiro e da contribuição para a discussão em curso, sobre o ambiente regulatório no Brasil. Esses elementos colocaram a empresa não só como líder no país, mas como um player fundamental para atender a essa revolução do blockchain em toda a América Latina”, falou Marcelo Claure, CEO do SoftBank Group International e COO do SoftBank Group. "As criptomoedas têm um potencial incrível na região e estamos ansiosos para fazer parte dessa jornada incrível”.

De acordo com a 2TM, o investimento permitirá que a companhia chegue a 700 colaboradores até o final de 2021 e acelere o crescimento de empresas do grupo, inclusive levando a operação da corretora para outros países latino-americanos, como México, Argentina, Chile e Colômbia.

Não é a primeira vez que o Softbank investe no setor de criptoativos brasileiro. Em maio, o banco japonês já tinha investido 26 milhões de dólares (quase 130 milhões de reais) na gestora Hashdex, que possui fundos de investimento em criptomoedas e também o ETF cripto HASH11.