• AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

Autoridades de diversos países desmontam o malware "mais perigoso do mundo"

Europol anuncia fim da Emotet, rede de malware mais perigosa do mundo e responsável por 7% dos ataques globais; ação uniu esforços de pelo menos oito países
 (Getty Images/Sergei KonkovTASS)
(Getty Images/Sergei KonkovTASS)
Por Lucas Caram, Cointelegraph BrasilPublicado em 01/02/2021 16:07 | Última atualização em 01/02/2021 16:13Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O trabalho em conjunto de uma série de especialistas e autoridades de diversas nações resultou no fim de uma rede de bots (robôs) que comandava o malware "mais perigoso do mundo", segundo informações da Europol.

A botnet do Emotet, nome dado ao malware, era uma das mais robustas do mundo, responsável por 25% dos ataques de malware em Portugal e por uma parcela significativa de ataques em escala global — estimativas apontam para impressionantes 7% dos ataques à empresas em todo o mundo.

O malware foi identificado pela primeira vez em 2014 como um trojan bancário, e desde então tem sido usado para acessar sistemas em todo o mundo. Os grupos criminosos usavam o Emotet para comandar roubos de dados, extorsões em criptoativos através de ataques de ransomware, campanhas de negação de serviço (DDoS), entre outras ameaças cibernéticas.

Ao longo dos anos, a rede foi evoluindo e também passou a servir como vetor de propagação de outros malwares e campanhas de hackers, além de comandar ataques de phishing em e-mails e redes sociais. Como as investigações acabaram depois descobrindo, o código do malware vinha sendo atualizado a cada descoberta dos ataques pelas autoridades, o que aumentou a força e a robustez da rede de bots.

Os ataques de phishing por e-mail, segundo a Europol, eram o principal arma do Emotet. Os hackers usavam documentos do Word com conteúdos maliciosos como principal motor de contaminação de sistemas, além de atuar "sob encomenda" contra empresas.

Segundo a Europol, a operação foi resultado de um esforço colaborativo entre autoridades de países como Holanda, Alemanha, Estados Unidos, Reino Unido, França, Lituânia, Canadá e Ucrânia, com atividade internacional coordenada pela Europol e Eurojust, realizada no âmbito da Plataforma Multidisciplinar Europeia contra as Ameaças Criminais (EMPACT).

A rede de malware era considerada uma das maiores empresas do mundo do crime cibernético e outros operadores de malware como TrickBot e Ryuk também se beneficiaram dela para comandarem ataques.

Em 2020, com a pandemia, o número de ataques cibernéticos no mundo explodiu. Como noticiou recentemente o Cointelegraph Brasil, a adoção do home office potencializou os vetores de ataque hacker e acabou prejudicando empresas e funcionários ao redor do mundo de forma inédita.

por Cointelegraph Brasil

Veja Também

Golpes com criptomoedas e NFTs: como evitar ser a próxima vítima
Future of Money
Há 10 horas • 1 min de leitura

Golpes com criptomoedas e NFTs: como evitar ser a próxima vítima

Conta de artista famoso é invadida e hackers roubam R$ 2,1 mi em NFTs
Future of Money
Há 10 horas • 2 min de leitura

Conta de artista famoso é invadida e hackers roubam R$ 2,1 mi em NFTs

Sem golpes: 7 dicas para proteger apps e smartphones
Tecnologia
Há 2 semanas • 6 min de leitura

Sem golpes: 7 dicas para proteger apps e smartphones

Hackers invadem rede social da OpenSea e dão golpe com "NFTs do YouTube"
Future of Money
Há 2 semanas • 3 min de leitura

Hackers invadem rede social da OpenSea e dão golpe com "NFTs do YouTube"