• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

CVM aprova outro ETF de ethereum e criptomoedas invadem a bolsa de valores

Com anúncio de aprovação do novo produto da gestora Hashdex, B3 chega a cinco ETFs relacionados ao mercado de criptomoedas
 (Getty Images/Yuriko Nakao)
(Getty Images/Yuriko Nakao)
Por Gabriel RubinsteinnPublicado em 14/07/2021 17:27 | Última atualização em 14/07/2021 17:27Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Em um intervalo de menos de 24 horas, a bolsa de valores brasileira ganhou três novos ETFs ligados ao mercado de criptomoedas - agora, a B3 soma cinco ETFs ligados ao setor.

Um dia após o anúncio do lançamento do BITH11, que investirá em bitcoin e em projetos de sustentabilidade, a gestora Hashdex divulgou nesta quarta-feira, 14, que recebeu aval da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para o lançamento de um ETF que investe na criptomoeda da rede Ethereum.

O produto terá o ticker ETHE11 e investirá 100% do seu patrimônio em ether. Não é o primeiro do tipo a ser anunciado no país - também na terça-feira, 13, a QR Asset Management anunciou a aprovação, pela CVM, do QETH11, que será semelhante. No entanto, ainda não há data confirmada de lançamento para nenhum dos dois produtos - apenas a expectativa, de ambas a gestora, de que isso aconteça no início de agosto.

"Esse ETF de Ethereum é uma nova forma de dar exposição a esse ativo que gostamos muito, que é uma grande evolução tecnológica e que tem tudo para ser a base de onde a tecnologia do novo fintech, DeFi, smart contracts, vão ser construídos em cima, então oferecer acesso ao Ethereum é oferecer ao investidor a possibilidade de capitalizar em cima do crescimento dessa infraestrutura pra essa nova tecnologia que está crescendo, que é a blockchain", disse Roberta Antunes, Chief of Growth da Hashdex.

Para a especialista, os ETFs de criptoativos podem facilitar o acesso do investidor a este mercado, e os novos ETFs com exopsição de 100% à uma único criptomoeda atendem à uma demanda dos investidores: "Acreditamos muito na estratégia de que no início de uma tecnologia é muito difícil decidir o winner, então você estar comprado no mercado como um todo faz sentido. Mas o mercado demanda single assets, muitas pessoas ainda preferem investir diretamente em um ativo. Por isso lançamos o BITH11, primeiro ETF 'verde' de bitcoin, e o ETF de Ethereum entra nessa mesma categoria. Agora, ao invés de ter que comprar ether numa exchange, o investidor consegue ter 100% de exposição a ele na bolsa de valores, com todo o conforto, a segurança e a tranquilidade que o ambiente oferece, com todo o escrutínio, os processos e as auditorias necessárias para negociar uma ação pública", explicou Roberta.

Apesar de anunciar a aprovação pela CVM e de afirmar a expectativa do lançamento do ETHE11 em agosto, a empresa, questionada pela EXAME, afirmou ainda não poder divulgar detalhes sobre cobrança de taxas e responsabilidade de custódia dos ativos digitais.

Além dos cinco ETFs - HASH11, que investe em uma cesta de criptoativos, QBTC11 e BITH11, que investem em bitcoin, e dos recém-anunciados QETH11 e ETHE11 - o mercado brasileiro também conta com inúmeros fundos de investimento ligados ao setor, com carteiras, taxas e gestores variados; além das corretoras de criptoativos, para quem deseja fazer a custódia dos seus ativos digitais.

O Brasil é um dos países com mais produtos de investimento ligados aos criptoativos no mercado financeiro tradicional. No caso dos ETFs de Ethereum, por exemplo, o Canadá é, além do Brasil, o único que também tem esse tipo de produto negociado em sua bolsa de valores.

Veja Também

Bitcoin esboça reação, mas ainda se mantém abaixo de US$ 30 mil
Future of Money
Há 21 horas • 3 min de leitura

Bitcoin esboça reação, mas ainda se mantém abaixo de US$ 30 mil

A16z quer aproveitar queda do mercado cripto e lança fundo de US$ 4,5 bi
Future of Money
Há 22 horas • 3 min de leitura

A16z quer aproveitar queda do mercado cripto e lança fundo de US$ 4,5 bi