• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Com restrições da China, mineradoras de bitcoin iniciam 'migração'

Estados Unidos pode ser um dos principais destinos das mineradores chinesas após cerco do governo local contra a atividade; situação pode impactar uso de energia limpa
 (Getty Images/Bloomberg)
(Getty Images/Bloomberg)
Por Gabriel RubinsteinnPublicado em 18/06/2021 13:51 | Última atualização em 21/06/2021 06:51Tempo de Leitura: 4 min de leitura

A China é, já há alguns anos, o maior polo de mineração de bitcoin do mundo, concentrando cerca de 70% do poder computacional da rede. Em maio, entretanto, o governo chinês decidiu limitar — ou, em algumas regiões, até proibir — a atividade, e agora as empresas de mineração começam a migrar para outras partes do mundo — e o estado americano do Texas pode ser um dos  principais destinos.

Apesar de não produzir um grande excedente energético, o Texas tem energia barata e tem aumentado a produção de energia de fontes renováveis — atualmente, cerca de 20% vêm de usinas eólicas. Além disso, o estado é governado por políticos publicamente favoráveis às criptomoedas e tem um mercado aberto, no qual os consumidores podem escolher o provedor do serviço.

"Vocês verão uma mudança dramática nos próximos meses. Temos políticos como o governador do Texas, Greg Abbott, que está promovendo a mineração. Isso vai se tornar uma indústria real nos Estados Unidos, e isso vai ser incrível", disse o ex-engenheiro de segurança da corretora cripto Gemini, em entrevista à CNBC.

As maiores mineradoras de bitcoin do mundo ocupavam, historicamente, as regiões de Xinjiang, Mongólia Interior, Sichuan e Yunnan — as duas últimas são grandes produtoras de energia limpa por suas hidrelétricas, enquanto as duas primeiras utilizam principalmente termelétricas.

No caso da Mongólia Interior, a briga contra os mineradores começou depois que a região falhou em atingir as metas do governo em relação ao clima. Como consomem muita energia e esta é produzida a partir de combustíveis fósseis, as mineradoras foram apontadas como culpadas e o governo deu dois meses para as empresas se retirarem da região.

As outras regiões devem fazer o mesmo — relatos já indicam movimento semelhante em Sichuan —, e diversas empresas já estão se antecipando e deixando o país. "Não queremos enfrentar, ano após ano, algum tipo de proibição vindo da China. Então, estamos tentando diversificar o nosso poder computacional de mineração, por isso estamos mudando para os Estados Unidos e para o Canadá", disse Alejandro de la Torre, vice-presidente da mineradora Poolin.

Depois que Elon Musk anunciou que a Tesla deixaria de aceitar bitcoin devido ao impacto ambiental causado pela mineração, o assunto ganhou atenção, em especial o bitcoin minerado com energia produzida da queima de carvão por termelétricas chinesas. Para o especialista em criptomoedas Nic Carter, entretanto, sair da China pode não ser a solução: "Da perspectiva da narrativa, é definitivamente um ganho. Mas a china também tem os recursos hídricos ociosos mais abundantes do mundo".

A China, apesar do intenso uso das termelétricas, também é uma das maiores produtoras de energia limpa do mundo. Por isso, ainda é difícil afirmar se, caso as mineradoras realmente saiam do país, a situação para os entusiastas do bitcoin vai melhorar — se de um lado haverá menos bitcoin minerado a partir da queima de carvão, do outro também diminuirá a proporção de uso de energias renováveis pela rede.

A "migração" das mineradoras de bitcoin, que movimentam cifras bilionárias todos os meses, também pode favorecer o desenvolvimento de geradoras de energia limpa, interessadas em vender para essas empresas gigantes. Por enquanto, no entanto, a discussão está no campo da especulação.

Além dos Estados Unidos e do Canadá, que já têm participação relevante no mercado de mineração de bitcoin, outros países como o Cazaquistão e El Salvador também podem se tornar polos relevantes do setor. No caso do país centroamericano, que recentemente aprovou lei para tornar o bitcoin uma moeda de curso legal no país, o presidente Nayib Bukele afirmou que pretende oferecer as geotérmicas do país — que produzem energia a partir do vapor dos vulcões — para atrair mineradores de outras regiões.

No curso Decifrando as Criptomoedas da EXAME Academy, Nicholas Sacchi, mergulha no universo de criptoativos, com o objetivo de desmistificar e trazer clareza sobre o seu funcionamento. Confira.