• AALR3 R$ 20,10 -0.35
  • AAPL34 R$ 68,60 1.84
  • ABCB4 R$ 16,64 0.73
  • ABEV3 R$ 14,15 0.78
  • AERI3 R$ 3,69 3.36
  • AESB3 R$ 10,82 -0.18
  • AGRO3 R$ 31,27 0.29
  • ALPA4 R$ 21,89 2.82
  • ALSO3 R$ 18,98 -0.11
  • ALUP11 R$ 26,80 -1.00
  • AMAR3 R$ 2,63 3.54
  • AMBP3 R$ 32,24 3.70
  • AMER3 R$ 22,14 1.14
  • AMZO34 R$ 3,41 4.47
  • ANIM3 R$ 5,63 2.93
  • ARZZ3 R$ 81,47 2.53
  • ASAI3 R$ 15,96 1.53
  • AZUL4 R$ 21,10 5.13
  • B3SA3 R$ 12,20 2.43
  • BBAS3 R$ 37,66 0.24
  • AALR3 R$ 20,10 -0.35
  • AAPL34 R$ 68,60 1.84
  • ABCB4 R$ 16,64 0.73
  • ABEV3 R$ 14,15 0.78
  • AERI3 R$ 3,69 3.36
  • AESB3 R$ 10,82 -0.18
  • AGRO3 R$ 31,27 0.29
  • ALPA4 R$ 21,89 2.82
  • ALSO3 R$ 18,98 -0.11
  • ALUP11 R$ 26,80 -1.00
  • AMAR3 R$ 2,63 3.54
  • AMBP3 R$ 32,24 3.70
  • AMER3 R$ 22,14 1.14
  • AMZO34 R$ 3,41 4.47
  • ANIM3 R$ 5,63 2.93
  • ARZZ3 R$ 81,47 2.53
  • ASAI3 R$ 15,96 1.53
  • AZUL4 R$ 21,10 5.13
  • B3SA3 R$ 12,20 2.43
  • BBAS3 R$ 37,66 0.24
Abra sua conta no BTG

Com queda de 46%, bitcoin pode ter segundo pior trimestre da história

Com uma semana para encerramento do trimestre, criptomoeda acumula maior prejuízo para o período desde 2018
 (Getty Images/Yuriko Nakao)
(Getty Images/Yuriko Nakao)
Por Gabriel RubinsteinnPublicado em 23/06/2021 13:29 | Última atualização em 23/06/2021 13:29Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Apesar de ter recuperado boa parte da queda sofrida no início desta semana, o bitcoin caminha para fechar o trimestre com a segunda pior performance da sua história e a maior queda desde os primeiros meses de 2018.

Segundo dados publicados pela ferramenta de análise Skew, o bitcoin acumula queda de 46% no segundo trimestre de 2021, o pior desde o primeiro trimestre de 2018, quando a criptomoeda despencou da sua máxima para um mercado de baixa que durou mais de dois anos e acumulou prejuízo de 49,9% no período de três meses.

A queda atual é também a segunda pior desde que esse tipo de dado começou a ser coletado, em 2014. Antes disso, o bitcoin circulava em um contexto menos profissional, sem tantas corretoras de criptoativos e com grande parte das transações sendo feitas ponto a ponto (P2P), o que impossibilita uma consolidação histórica de preços que seja confiável.

Desde o início de 2014 até agora, se passara 30 trimestres - considerando o atual, que se encerra com o fim de junho - e o preço do bitcoin teve retração em 14 deles. No entanto, os trimestres de ganhos registraram crescimento muito maior do que o os meses com prejuízo e, por isso, o preço do ativo digital se multiplicou por quase 50 vezes desde então, considerando a cotação atual de 34 mil dólares - ou 80 vezes até a máxima histórica do bitcoin, de 64 mil dólares.

Apesar da queda de 46% no segundo semestre de 2021, o bitcoin ainda acumula ganhos de 15% no ano, e quase 300% nos últimos 12 meses. Apesar disso, o mercado está apreensivo com a possibilidade de uma tendência de baixa mais duradoura, mas especialistas divergem quanto às previsões para a criptomoeda no curto prazo.

No curso "Decifrando as Criptomoedas" da EXAME Academy, Nicholas Sacchi, mergulha no universo de criptoativos, com o objetivo de desmistificar e trazer clareza sobre o seu funcionamento. Confira.