Acompanhe:

Superstições de Ano Novo: 14 CEOs contam seus rituais para atrair prosperidade

Uns são mais supersticiosos e outros nem tanto, mas para todos a noite do réveillon é um momento para cerca-se de boas vibrações também para os negócios

 (Hiroshi Watanabe/Getty Images)

(Hiroshi Watanabe/Getty Images)

D
Da Redação

Publicado em 28 de dezembro de 2022, 09h30.

Última atualização em 3 de janeiro de 2023, 15h50.

Para um negócio prosperar, é preciso estratégia, dedicação, inspiração, mas também uma pitada de sorte. Como a última noite do ano costuma ser marcada por diferentes ritos pessoais para chamar esses bons ventos, EXAME conversou com 14 CEOs de startups bem-sucedidas para saber quais os hábitos e superstições de cada um na virada do ano para atrair prosperidade, dinheiro e sucesso.

O CEO Eder Medeiros, que aposta na lentilha na virada (Eder Medeiros/Melhor Envio/Divulgação)

Eder Medeiros, CEO do Melhor Envio

“Quando eu era criança, minha tia deu de presente para todos da família um pacotinho de lentilha, que dizem que atrai dinheiro. O meu pacotinho guardei em um pote com um pouco de água, então ele germinou e eu plantei. Depois disso, tínhamos vários pés de lentilha no quintal de casa. Desde então, sempre que tem lentilha na virada do ano, eu faço questão de comer. Não posso dizer que é por conta disso, mas os negócios vão bem.”

O Melhor Envio é uma plataforma de intermediação de fretes para quem vende online

Os sócios Mateus Ferrareto e Rubens Stuque são adeptos das listas de fim de ano (Eco Flame Garden/Divulgação)

Rubens Stuque, sócio-fundador da Eco Flame Garden

“O ano-novo para mim é um momento de agradecer o que passou e prosperar o que está por vir. Para efetivar isso, todos os anos escrevo duas listas em papéis separados. A primeira com coisas que eu quero deixar para trás e me distanciar, que costumo enterrar em algum gramado. A segunda lista é dos objetivos que quero atrair para o ano que chega, tanto pessoal quanto profissionalmente. Esta eu guardo em um saquinho com sal grosso e deixo sempre por perto para reforçar essas intenções ao longo de todo ano.”

Mateus Ferrareto, sócio-fundador da Eco Flame Garden

“Minha maior superstição é parar na beira do mar para refletir tudo que aconteceu no ano que se encerrou, as coisas boas e as coisas ruins, e depois fazer uma oração.”

A Eco Flame Garden é uma marca de design 100% online voltada para o estilo de vida outdoor

Rafael Stark, CEO do Stark Bank, começa o ano sempre com o pé direito (Rafael Stark/Divulgação)

Rafael Stark, CEO do Stark Bank

“A minha superstição de fim de ano é uma que adoto, inclusive, no meu dia a dia. Costumo dormir sempre do mesmo lado da cama, de modo que eu pise no chão primeiro com o pé direito. Para trazer sorte e prosperidade, para iniciar o dia, a semana, o mês ou até mesmo o ano novo, precisa ser sempre com o pé direito. Já tive discussões até com namoradas para dormir sempre do mesmo lado da cama.”

A Stark Bank é um challenger bank focado em grandes empresas, oferecendo tecnologia financeira de pagamentos e recebimentos 

Reinaldo Rabelo, do Mercado Bitcoin, vira a noite acordado para começar o ano (Mercado Bitcoin/Divulgação)

Reinaldo Rabelo, CEO do Mercado Bitcoin

“Um hábito é nunca dormir antes da meia-noite. Minha superstição é de que, se dormir, perderei o controle do meu ano. Tenho ainda a disciplina de escrever em um caderno cinco vitórias e cinco derrotas, e o que cada uma me ensinou. No exercício de planejar o ano novo, procuro eliminar ações que repeti por mais de um ano ou aquelas que nem cheguei a iniciar, reconhecendo que essas atividades não estão maduras para virar hábito, por mais que eu queira”.

A Mercado Bitcoin é a maior plataforma de ativos digitais da América Latina

 

Roupa branca nova e pular sete ondas são as simpatias de Tereza Santos, CEO da Sympla (Sympla/Divulgação)

Tereza Santos, CEO da Sympla

“Na virada do ano, procuro sempre estar com uma roupa nova e branca. A lentilha também não falta no cardápio e, se estiver na praia, não fujo do pulo das sete ondas. Além disso, no primeiro dia do ano, eu estabeleço cinco metas audaciosas para o próximo ciclo. Antes de defini-las, faço uma reflexão do ano que passou e das lições aprendidas.”

A Sympla é uma plataforma de soluções digitais para a compra de ingressos e gestão de eventos e conteúdos

Renato Ribeiro, CEO da iugu

“Minha única superstição para atrair prosperidade para a vida e os negócios é usar uma camisa amarela durante o dia e na virada do ano. Fora isso, costumo pegar um tempo, parar e fazer uma retrospectiva do ano. Faço questão de agradecer por cada uma das coisas boas que aconteceram.”

A iugu é uma plataforma de serviços financeiros para empresas

Um pedal de 100 km marca o início do ano de Danillo Branco, da Finansystech (Danillo Branco/Divulgação)

Danillo Branco, CEO da Finansystech

“Todo fim de ano é diferente para o startupeiro. O que não muda é pedir muita saúde para enfrentar os desafios do dia a dia. Minha principal superstição é o brinde para o universo visualizando tudo que quero evoluir no ano que se inicia. E para começar o ano com o pé direito, ou pedal direito, faço um clássico 100 km de bike da virada! É uma forma de começar superando o primeiro desafio do ano.”

A Finansystech oferece tecnologia para instituições financeiras que desejam participar do Open Finance

Fabio Camillo, CEO do Casar.com

“Acredito muito no poder da mente como ferramenta para prosperidade em todas esferas da vida, incluindo os negócios. Seja pulando ondinhas ou comendo lentilha, sempre mentalizo as coisas boas que desejo para as pessoas próximas e os negócios no ano que está entrando. Sempre procuro estar próximo de familiares e bons amigos, ter boas conversas e beber um bom vinho.”

O Casar.com é um site de casamento, com serviços como página personalizada do evento, busca de fornecedores e lista de presentes 

Allan Mendonça, co-CEO da CBRdoc

“Todo começo de ano, renovo o pote de sal grosso que coloco em cada ambiente do escritório, para renovarmos a energia. No dia 31 de dezembro, escrevo um e-mail para mim mesmo (como estou e quais são meus desejos para 2023). Este e-mail, que vou reler apenas no próximo 31 de dezembro, é para eu ter uma percepção de como foi o ano”. 

Rafael Galante, co-CEO da CBRdoc

“Refletir sobre conquistas, realizações e até o que faltou no ano já virou um hábito. Também é um momento importante para o planejamento de novas metas pessoais e profissionais. Afinal de contas, se você não sabe para onde ir, qualquer caminho serve”.

A CBRdoc é uma plataforma de gestão e pesquisa de documentos, que centraliza todas as emissões no país

 

Reflexão sobre o futuro e romã estão no réveillon de Bernardo Brites, da Trace Finance (Trace Finance/Divulgação)

Bernardo Brites, CEO da Trace Finance

“É um ritual clichê, mas à meia-noite costumo comer uma romã e mentalizar aquilo que desejo que aconteça no ano que está começando. É mais um ritual que tenho comigo mesmo, de parar e refletir sobre o que gostaria que acontecesse na minha vida nos próximos 12 meses. Na correria do dia a dia, é mais difícil fazer essa reflexão, mas o Ano Novo é um momento que eu aproveito para isso.”

A Trace Finance facilita a relação entre empreendedores brasileiros do ecossistema de inovação e fundos de venture capital globais

 

Junior Borneli, da StartSe, cloca no papel as lições do passado e os planos para o próximo ano (Junior Borneli/Divulgação)

Junior Borneli, CEO da StartSe

“Sempre tento, no último dia do ano, fazer um balanço de tudo o que se passou, separando os fatos em três blocos: o que deu certo, o que deu errado e o que eu aprendi nisso tudo. Depois, materializo em um caderno os grandes objetivos do ano seguinte. Essa ‘materialização’, ainda que apenas em uma folha de papel, dá uma sensação de start nos projetos e impulsiona as energias na direção certa. Procuro estar na companhia da minha família e faço questão de enviar mensagens para as pessoas que mais marcaram a minha jornada neste último ciclo. Deixo para fazer isso bem pertinho da hora da virada, sempre com um ‘continuaremos juntos’ ao final.”

A StartSe é uma escola internacional de negócios voltada para líderes, executivos e empresas 

Mariano García-Valiño, CEO da Axenya, gosta de agradecer a todos que fizeram seu ano especial (Mariano García-Valiño/Divulgação)

Mariano García-Valiño, CEO da Axenya

“Sou um cientista de coração e dificilmente presto atenção a rituais ou tradições de boa sorte. No entanto, acredito que o final do ano é um bom momento para algumas coisas. Primeiramente, para expressar gratidão. Costumo passar algum tempo enviando notas de agradecimento individuais. Não faço isso em massa, com um cartão ou algo do tipo, mas escrevo algo pessoal para cada pessoa que foi especial para mim.”

A Axenya é uma healthtech que usa inteligência artificial para coordenar carteiras de saúde corporativa de ponta a ponta