Como funciona o FIES? Tire todas as suas dúvidas sobre o programa

Inscrições para o Fundo de Financiamento Estudantil ocorrem de 9 a 12 agosto
O programa também está dando desconto de 12% para quem quiser quitar a dívida, desde que não hajam parcelas atrasadas (FIES/Reprodução)
O programa também está dando desconto de 12% para quem quiser quitar a dívida, desde que não hajam parcelas atrasadas (FIES/Reprodução)
D
Da Redação

Publicado em 03/08/2022 às 17:00.

Última atualização em 05/08/2022 às 14:13.

Aos interessados em recorrer ao Fundo de Financiamento Estudantil (FIES): as próximas inscrições ocorrem de 9 a 12 de agosto. O benefício poderá ser pleiteado por quem participou do Enem, a partir da edição de 2010, e obteve média mínima de 450 pontos e nota superior a zero na redação. Já as inscrições do processo seletivo do Programa Universidade para Todos (Prouni) vão do dia 1º a 4 de agosto. 

Vinculado ao Ministério da Educação, o FIES se transformou no único caminho para muita gente ingressar em universidades privadas. Só dá para recorrer ao programa, no entanto, para custear cursos que ostentam avaliações positivas em processos conduzidos pelo ministério. 

O financiamento adotava a taxa de juros de 3,4% a.a e período de carência de 18 meses desde 2010. Para calcular o período de amortização, era preciso multiplicar a duração regular do curso pretendido por três e somar mais um ano. O percentual de financiamento é de até 100% e a administração está nas mãos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Para garantir a sustentabilidade do programa, porém, a taxa de juros aplicada subiu para 6,5% em 2015. Em contratos firmados a partir desse ano, os estudantes precisam pagar, a cada três meses de curso, o valor máximo de 150 reais. Referem-se ao pagamento de juros incidentes sobre o financiamento.

Convém explicar que durante a fase de carência, os inscritos no programa também precisarão desembolsar a mesma quantia, a cada trimestre. Encerrado o período de carência, o saldo devedor agora é parcelado em até 3 vezes a duração regular do curso. No caso de uma formação que demora quatro anos, por exemplo, o estudante terá até 12 anos para quitar sua dívida. 

Como funciona o FIES?

Aos interessados, o primeiro passo é acessar o sistema de seleção do FIES, informar os dados solicitados (CPF, data de nascimento e e-mail) e cadastrar uma senha. Depois é preciso se inscrever no SisFIES. O passo seguinte é validar as informações na instituição de ensino pretendida.
Para contratar o financiamento, o estudante, na companhia de eventual fiador, deve bater na porta de um agente financeiro do FIES em até 10 dias e escolher o banco que intermediará o processo. Os atuais agentes financeiros à frente do programa são a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil. 

Convém lembrar que não se trata de um programa de bolsas. E que os estudantes poderão se beneficiar de descontos atrelados ao pagamento com pontualidade (algumas instituições oferecem isso). Fique atento aos valores da mensalidade cobrada, pois depois de concluir o curso, você será o responsável pelo pagamento do financiamento.
Se o estudante é bolsista da instituição de ensino e atende aos requisitos para manutenção do benefício, o valor correspondente à bolsa será deduzido da mensalidade cobrada no financiamento. As inscrições no FIES são gratuitas.

Como renegociar o FIES?

Para quem já é inscrito e quer acelerar a quitação de sua dívida, uma boa notícia. No dia 22/7, o Ministério da Educação autorizou um desconto de 12% nas dívidas do FIES para estudantes que não estão com parcelas atrasadas. Para ter o abatimento, porém, é preciso fazer o pagamento à vista.

Anunciou-se, também, um benefício para os alunos que já estavam em fase de quitação da dívida em 30 de dezembro de 2021, mas atrasaram o pagamento das parcelas em mais de 90 dias. No caso de pagamento à vista, essa turma terá desconto total no que se refere a juros e taxas e de 12% do valor principal. E há a possibilidade de dividir em 150 vezes (cada parcela precisa ser de, no mínimo, 200 reais), com abatimento de todos os encargos, mas sem desconto no valor principal. 

Para beneficiários do Auxílio Emergencial 2021 ou inscritos no CadÚnico o panorama é diferente. Estudantes com atrasos de mais de 365 dias terão desconto de 92% no valor total da dívida, para pagamento à vista. No caso de atrasos de mais de 5 anos, o desconto chega a 99% no valor total da dívida, para pagamento à vista.