Quem é a influenciadora que movimenta mais de R$ 20 milhões por ano levando brasileiros a Orlando

Fê Batista, de 31 anos, uniu seu carisma a estratégias de marketing digital para tornar seu perfil no Instagram um lucrativo negócio nos EUA
Fê Batista: em agosto, com apenas um de seus clientes, o perfil @orlandodiferente gerou R$ 2,5 milhões. (@orlandodiferente | Fê Batista/Divulgação)
Fê Batista: em agosto, com apenas um de seus clientes, o perfil @orlandodiferente gerou R$ 2,5 milhões. (@orlandodiferente | Fê Batista/Divulgação)
D
Da Redação

Publicado em 12/09/2022 às 07:00.

Última atualização em 12/09/2022 às 19:12.

Quando Fê Batista, com seus 20 e poucos anos, chegou a Orlando, cidade que concentra os grandes parques temáticos americanos, ela sabia o que queria: identificar oportunidades de trabalho por lá. A jovem de Santos (SP) só não poderia imaginar o quanto seria bem-sucedida nessa empreitada.

Apenas 5 anos depois de desembarcar nos Estados Unidos, ela movimenta mais de R$ 20 milhões por ano – no mês passado, só com um dos seus clientes, foram R$ 2,5 milhões – e tira um salário médio de R$ 80 mil (em torno de R$ 1 milhão por ano).

Foi no Instagram que a empresária, hoje com 31 anos, encontrou o espaço que buscava. Fê é hoje uma destacada influenciadora digital no país, atuando com publicidade de marcas do setor de turismo e venda de produtos atrelados, como ingressos, hotéis e passagens aéreas. 

O perfil de viagem que ela criou na rede social, o @orlandodiferente, é o maior no segmento e a principal referência em turismo na cidade. 

Mas tamanho sucesso não foi por acaso. Formada em administração de empresas e em logística de transportes, com MBA em marketing e uma variedade de outros cursos, a jovem paulista, que desde adolescente já tinha um perfil empreendedor, estudou muito e planejou cada passo para fazer da produção de conteúdo um negócio lucrativo. 

Em entrevista à EXAME, em Orlando, Fê Batista conta essa sua trajetória, explica como funciona o trabalho de um influencer e dá dicas para quem também deseja empreender nas redes sociais. Confira:

Quando surgiu a vontade de ir para os Estados Unidos e empreender fora do Brasil?

Eu trabalhava em uma multinacional, que foi onde desenvolvi esse meu background profissional em marketing. Mas em um determinado momento estava infeliz lá. Eu já tinha um dinheirinho guardado, então tomei coragem: larguei o trabalho e vim para os Estados Unidos. Quando cheguei a Orlando, vim disposta a estudar e identificar oportunidades para ter uma carreira aqui. Eu não podia trabalhar, por ser estudante. Aí, pensei como poderia atuar aqui e viver esse sonho de morar nos EUA, que eu tinha desde criança, mas que era totalmente distante da minha realidade.

Foi então que nasceu o projeto Orlando Diferente?

Sim, foi aí que identifiquei, no Instagram de cinco anos atrás, que havia muita oportunidade no segmento de viagem. Percebi que as páginas que falavam de Orlando tinham muito a melhorar, porque eu já tinha esse olhar de marketing. Então peguei toda a estratégia, somada ao fato de gostar de me comunicar, e comecei a atuar nessa área. Nunca imaginei que iria para Orlando e trabalharia com isso. Não foi planejado ter um Instagram de viagem. Mas já no início tive retornos muito relevantes. Comecei a entrar em contato com marcas, a produzir conteúdo.

E o perfil virou uma referência no mercado…

O Orlando Diferente foi uma virada de chave realmente dentro do segmento de viagens para Orlando, e acabou se tornando, de fato, a maior referência. Hoje, a gente vê muitos Instagrans que se inspiram e seguem a mesma estratégia, porque ela funcionou. Comecei fazendo escola de inglês, mas com o tempo, já estabelecida e ganhando bem, consegui pagar o meu MBA em marketing. Como falei, estudo para mim é fundamental, faço muitos cursos. Tudo o que eu puder estudar, vou atrás, porque esse mercado do marketing digital é muito dinâmico. E, assim, sempre me aprimorando, que aos poucos fui conquistando meu espaço e hoje o Orlando diferente é o maior perfil no segmento. É o maior Instagram, disparado. Realmente tenho uma curva bem acentuada.

Quanto você fatura hoje com o seu negócio?

“De faturamento bruto, movimento milhões. Com apenas um cliente, que é focado 100% em turismo, foram cerca de R$ 10 milhões só nos últimos seis meses. Sem contar todas as publicidades e ativações que não consigo metrificar com assertividade. Já o faturamento líquido, que é o meu salário, gira em torno de R$ 80 mil por mês – alguns mais lucrativos, outros menos.

Como um influenciador ganha dinheiro? Quais são suas principais fontes de receita?

O influenciador ganha dinheiro de diversas formas. A principal é por meio de publicidade: trabalho com marcas e recebo pela publicidade. Também existe o comissionamento, que tenho bastante. Vendo muito – mais de dois milhões de ingressos por mês – e tenho um comissionamento com uma agência. Temos um acordo em que fico com um percentual considerável, porque levo praticamente toda a base de clientes para eles. Há também a sociedade em projetos. Entro como sócia em empresas e levo comissionamento por divulgar essas empresas. O influenciador tem um leque de oportunidades, por isso precisa estar sempre de olho. Hoje trabalho com Instagram, TikTok, estou lançando blog… Tudo isso vai monetizando. Os caminhos de monetização, quando você é um influenciador relevante, são infinitos.

Além da parte financeira, o seu trabalho trouxe outros ganhos, como a possibilidade de ter um visto americano, certo?

Isso mesmo. Eu apliquei para ter um tipo de visto que é de habilidades especiais, em que justifico para os EUA que sou uma pessoa de interesse nacional. Ou seja, o fato de eu trazer pessoas para o país e gerar lucro para ele faz com que os EUA “precise” de mim. O meu trabalho me tornou elegível para aplicar. Porque, se você não é elegível, nem pode aplicar. Tem tudo para dar muito certo. Fiz com a melhor empresa aqui do segmento, que é, aliás, um cliente meu. Mas ainda não consegui, estou aguardando.

Tornar-se um influenciador digital acontece naturalmente ou é algo que deve ser planejado? Se sim, o que precisa ser considerado? 

Precisa de planejamento, com certeza. A percepção errada disso é, inclusive, um erro muito comum. As pessoas pensam que ser influenciador vai depender muito do seu carisma. É claro que isso conta, mas estou aqui para provar que é pura estratégia. É preciso ter um conteúdo estratégico planejado ao longo do ano, fazer a análise dos seus conteúdos… Avaliar o que foi bem, o que mais preciso fazer para alcançar as pessoas, quais estratégias de marketing posso desenvolver dentro do meu negócio etc. Não só no conteúdo e na rentabilização dele, mas também enxergar outras oportunidades, a partir do ponto em que tenho uma audiência fiel. Então, sim, há formas de ter o seu negócio digital e elas são 100% baseadas em estratégia, análise e estudo.

Muita gente tenta, mas só algumas pessoas têm sucesso na internet como você. Esse planejamento é o diferencial de quem dá certo?

Sim, o diferencial é exatamente tirar da cabeça a ideia de que acontece por acaso. É claro que existem pessoas que viralizam porque realmente têm um dom. Mas isso só permanece se você tem estratégia e entende que isso é um negócio. É seu trabalho, tem que postar todo dia. Hoje o Orlando Diferente se tornou uma empresa.

(Arte/Exame)

Que conselhos extras você deixaria para quem quer empreender na internet?

Pode parecer clichê, mas eu acredito: a mensagem principal é que você não deixe de acreditar. E todo dia esteja disposto, como qualquer outro empreendedor. Porque foi-se a época que rede social era uma diversão. Qualquer rede hoje é um negócio. Acorde todo dia querendo pensar diferente e melhorar. Também não se compare com os outros. Tenha o seu resultado e analise as métricas do seu sucesso baseado nele. Tenha humildade, esteja perto da sua audiência, valorize quem está com você. Invista também em networking. E novamente: faça cursos. Se não tiver condições, tem muita coisa boa gratuita na internet. No meu primeiro ano, eu não tinha dinheiro para isso, por exemplo, e estudei tudo pelo YouTube. Mas quando você puder, invista em cursos.