Como empreender do zero? Casal pega R$ 20 mil emprestado e fatura R$ 48 milhões

Primeiro passo foi criar uma indústria de confecção e produzir para terceiros. Depois veio a marca própria, o crescimento por franquias e a exportação
O casal Marize e Adamur Vanzin: primeiro empreendimento foi aberto em 2007. Hoje os dois faturam R$ 48 milhões por ano (Zero açucar/Divulgação)
O casal Marize e Adamur Vanzin: primeiro empreendimento foi aberto em 2007. Hoje os dois faturam R$ 48 milhões por ano (Zero açucar/Divulgação)
D
Da Redação

Publicado em 12/10/2022 às 11:00.

Última atualização em 12/10/2022 às 11:09.

Inseridos no mercado de moda fitness há muitos anos, Marize Vanzin, 43 anos, e Adamur Vanzin, 48 anos, casados desde 1998, identificaram uma oportunidade de negócios em 2007. 

Na época, o mercado ainda carente de fornecedores era o de grandes magazines, que precisavam de uma indústria que confeccionasse roupas esportivas de acordo com suas especificações técnicas para que fossem vendidas, com as marcas dessas grandes varejistas, em suas próprias lojas. 

A oportunidade estava diante dos olhos, mas o casal tinha apenas R$ 10 mil guardados. Faltava R$ 20 mil para dar início ao empreendimento. Com um empréstimo da mãe de Marize, os dois deixaram os empregos na empresa da família e conseguiram fundar a Texport

“A ideia de criar a Texport surgiu após a gente perceber que a empresa da família de Adamur estava tomada pelas demandas de grandes marcas esportivas, e que não sobrava tempo para atender magazines”, explica Marize. “Vendo nesse nicho uma oportunidade de empreender, decidimos criar a nossa própria indústria e apostar nesse mercado.”

Marize Vanzin, CEO e fundadora da Zero Açucar: para ela, qualquer sonho pode se tornar realidade (Zero Açucar/Divulgação)

Empreendedores em série

A aposta foi certeira. A Texport deve fechar 2022 com um faturamento de R$40 milhões, 40% a mais que em 2021. Atualmente, a empresa produz 110.000 peças por mês, no segmento esportivo masculino e feminino.

Mesmo diante do sucesso da empresa, o casal não parou por aí. Com o know-how adquirido ao longo dos anos, Adamur e Marize sentiram a necessidade de mais uma vez enfrentar um novo desafio e criaram um novo empreendimento. 

Desta vez, lançaram, em 2014 e com um investimento de R$ 2 milhões de capital próprio, a própria marca de roupas fitness: Zero Açucar (assim mesmo, sem acento). 

No primeiro ano de vida, a primeira coleção da Zero Açucar, produzida pela Texport, foi vendida em lojas multimarcas. Hoje, as peças estão presentes em mais de 700 pontos de vendas espalhados pelo Brasil, atendendo cerca de 80% do território nacional.

Depois da marca própria, crescimento por franquias

Para consolidar ainda mais a marca, o casal decidiu abrir, em 2017, a primeira loja conceito da Zero Açucar, em Cascavel, no interior do Paraná. Logo veio a segunda unidade, na mesma cidade. Com o modelo de loja própria testado, o próximo passo foi investir na formatação de um crescimento pelo sistema de franquias. “Entendemos que o franchising é um ótimo modelo para as marcas crescerem e ganharem mercado”, diz Marize. 

A primeira unidade franqueada abriu as portas no dia 1º de setembro de 2022, na cidade de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo. A próxima franquia será inaugurada na cidade de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul - prevista para novembro deste ano. “Para o primeiro trimestre de 2023 já temos a terceira unidade programada para a cidade de Toledo, no Paraná”, revela a empreendedora. 

Além de lojas multimarcas, próprias e franquias, a Zero Açucar também vende suas peças pelo e-commerce, que responde por 5% do faturamento. “O canal de vendas mais forte é o multimarcas, estando presente em mais de 700 pontos de venda em todo Brasil”, diz Marize.

Em 2021, a Zero Açucar faturou R$ 8,7 milhões, 50% a mais que em 2020. Para 2022 a expectativa é alcançar uma receita de R$ 12 milhões, somando todos os canais de venda. “Temos como meta também encerrar 2022 com cinco unidades vendidas de franquia, além das duas lojas próprias já existentes. E para 2023 o plano é abrir mais 10 unidades franqueadas.”

Zero Açucar: depois de testar o varejo com lojas próprias, a marca parte para o modelo de franquias (Zero Açucar/Divulgação)

Exportação a caminho

Para atender o crescimento da marca própria, o casal enxergou a necessidade de criar uma indústria de confecção exclusiva para a Zero Açucar, o que se tornou realidade em 2021. 

Com mais de dois mil metros quadrados e capacidade de produção de até 15 mil peças por mês, a fábrica da Zero Açucar está pronta para atender a meta de abertura de mais 80 lojas franqueadas estabelecida para os próximos cinco anos e o objetivo de vender para fora do país. 

“Temos planos para exportação”, admite Marize. “Já estamos em negociação com alguns países da Europa. A nossa empresa recentemente passou por um processo de qualificação para exportação através do programa Peiex (Programa de Qualificação para Exportação da Apex Brasil”, diz ela. 

Para Marize, as conquistas são a realização de um sonho. “Sempre acreditamos que, se podemos sonhar, podemos realizar.”