Acompanhe:

Open finance: Cliente agora é dono dos próprios dados

Sistema financeiro aberto já traz benefícios ao consumidor, como a portabilidade do histórico; especialista aponta personalização de serviços como diferencial

Open finance permite compartilhamento de informações bancárias entre diferentes instituições (Kathrin Ziegler/Getty Images)

Open finance permite compartilhamento de informações bancárias entre diferentes instituições (Kathrin Ziegler/Getty Images)

D
Da Redação

Publicado em 27 de dezembro de 2022, 07h30.

Última atualização em 27 de dezembro de 2022, 11h53.

O open finance, a troca de informações financeiras entre diferentes bancos, já está impactando a vida do consumidor. Em algumas instituições é possível, por exemplo, fazer Pix usando o saldo de outra conta bancária. Em outras, as informações compartilhadas servem para ofertar produtos e serviços mais adequados ao perfil do cliente.

“No banco PAN, as informações recebidas através do open finance são utilizadas para ofertar produtos e serviços totalmente personalizados e direcionados às necessidades específicas dos clientes”, explica Gabriel Gonçalves Marques Pires, coordenador de analytics e open finance no PAN. “Se entendermos que um cliente gasta com recorrência em farmácias, oferecemos o Saúde PAN, produto onde o consumidor pode realizar consultas online gratuitas 24 horas por dia, marcar consultas presenciais por um preço mais acessível e ter à disposição serviços de farmácia, além de receber descontos de até 85% em medicamentos.”

Outra função importante utilizada pelo banco PAN, através do open finance, é entender como é a relação do cliente com outros bancos. “Para, assim, ofertarmos um produto melhor para ele, seja um limite mais justo ou uma taxa menor”, conta Pires.

O que é  open finance

O open finance - sistema financeiro aberto - é uma iniciativa do Banco Central do Brasil.

Nele, o consumidor se torna dono de seu histórico bancário. Antes do sistema aberto, o histórico de cada brasileiro com o banco – se ele é bom pagador, que serviços mais usa, quais taxas paga– era restrito. Quando decidia partir para outra instituição financeira, o cliente tinha que recomeçar seu histórico para conseguir benefícios.

A partir do momento em que o indivíduo é dono de seus dados ele pode escolher compartilhar essas informações com outras instituições. E, como menciona Pires, do PAN, essa transferência de informações pode proporcionar ao cliente limites mais justos e taxas menores.

O especialista ainda ressalta que o leque de ofertas de produtos, principalmente de crédito, ainda terá uma grande evolução nos próximos meses. “O Banco Central tem trabalhado intensamente para melhorar a qualificação dos dados transacionados via open finance, permitindo assim uma análise ainda mais eficiente”, diz. 

O open finance no Brasil teve início para os clientes em agosto de 2021, mas a grande percepção dos ganhos é algo mais recente. Isso porque se trata de um ecossistema muito complexo, explica Pires, que necessita de tempo para aprendizagem e geração de insights em cima dessa nova dinâmica “Esse período de ajustes é algo natural, dado que é a primeira vez na história do mercado financeiro que todas as instituições passam a se intercomunicar por meio de um sistema padronizado”, afirma.

A expectativa do executivo é que para os próximos meses surjam cada vez mais retornos para os clientes ao compartilhar dados entre as instituições. “Apesar de não ser obrigado a participar do compartilhamento de dados via open finance, o banco PAN optou por entrar nesse ecossistema desde o início e temos certeza de que foi um período de grande aprendizagem para melhor maturação do tema e geração de insights”, afirma. 

Open finance vale a pena?

Hoje já existem diversos benefícios transparentes para o cliente, como consequência do open finance. Um exemplo é conseguir visualizar o saldo e o extrato bancário de todas as contas que o consumidor possui em um único aplicativo, receber dicas e recomendações financeiras com base nas transações realizadas nas diversas instituições e até mesmo fazer um Pix com saldo de outros bancos dentro do aplicativo da instituição preferida.

Open finance em 2023

Há uma grande expectativa sobre a evolução desses benefícios ao longo de 2023. “Um caso de uso futuro é o início do compartilhamento de dados de investimentos, seguros, previdência e credenciamento, o que aumentará ainda mais o leque de ofertas para os clientes, que poderão, por exemplo, receber recomendações de investimentos mais rentáveis do que as que ele possui na carteira de ativos”, afirma Pires.

O potencial de benefícios futuros do open finance é enorme, segundo o especialista, que prevê novidades ao longo do ano. “Com certeza teremos novos casos de uso que não foram pensados por ninguém até o momento, e que mudarão completamente a dinâmica futura do mercado financeiro”, diz. “Algumas pessoas comparam o open finance com a internet. Assim que ela surgiu era inimaginável o tanto de coisa que conseguimos fazer por conta dela hoje. O mesmo acontecerá com o open finance daqui alguns anos.”