TV, internet e telefone: vale a pena contratar o combo ou avulso?

Levantamento da PROTESTE mostra diferença de até R$ 1.080 por ano entre os combos avaliados – e simula se é um bom negócio contratar os serviços avulsos
 (Christina Reichl Photography/Getty Images)
(Christina Reichl Photography/Getty Images)
D
Da RedaçãoPublicado em 29/09/2022 às 07:30.

Provavelmente, você já recebeu uma ligação com oferta de combo de TV, internet e telefone fixo que parecia vantajosa, mas ficou receoso se o plano valia mesmo a pena. Ou, caso já assine um pacote, já se perguntou se não sairia mais barato cancelar e contratar os serviços separados.

Para tirar essas dúvidas e destacar as boas oportunidades para o consumidor, todo ano a PROTESTE - Associação Brasileira de Defesa do Consumidor realiza um estudo de preços dos combos residenciais de telecomunicação. 

Desta vez, foram pesquisados 32 pacotes de serviços, oferecidos pelas principais operadoras de telefonia do país nas cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo

Classificados em três perfis – básico, intermediário e top de linha – eles foram separados em dois grupos: 3P, para combos incluindo internet banda larga, TV por assinatura e telefone fixo; e 2P, contendo internet e telefone. 

Também foi feita uma simulação comparando o preço de serviços avulsos de operadoras diferentes com um combo que oferece produtos similares. Veja a seguir os principais resultados da pesquisa.

TV + internet + telefone: até R$ 900 de diferença

No grupo 3P, o estudo mostrou que há uma variedade de opções para o consumidor. Os pacotes avaliados oferecem TV por assinatura com 69 canais, nos planos básicos, até mais de 85, nos avançados; de 200 mega a 1 giga de banda larga; e telefone fixo com ligações ilimitadas para fixo e móvel no Brasil inteiro, condição que aparece em todos os combos.

As “escolhas certas” neste segmento (em amarelo no quadro mais abaixo) foram o combo Net Claro dos perfis básico e intermediário, que poupa até R$ 900,96 ao ano, e o top de linha da Vivo, com uma economia de R$ 719,04 anuais.

Internet + telefone: economia de até R$ 1.080

Na categoria 2P, com dois serviços, as alternativas vão de 200 a 300 mega, no pacote intermediário, até 600 mega, nos planos top de linha, junto ao telefone com ligações ilimitadas móveis e locais, condição presente em todas as operadoras.

A maior diferença de preço encontrada neste grupo é o plano mais avançado da Oi em São Paulo, considerado a “escolha certa” do segmento, oferecendo uma economia de até R$ 1.080,96 por ano. 

(PPROTESTE/Divulgação)

Combo TV, internet e telefone mais barato

Uma novidade deste ano, apontada como significativa pelo estudo, é a entrada da Oi no mercado paulistano. A novata acirrou a concorrência ao trazer uma opção mais barata de banda larga para a cidade. Essa, aliás, foi uma das razões pelas quais os pacotes da operadora foram eleitos as “escolhas certas” nos dois perfis do grupo 2P.

Outro fator são as mudanças no perfil de consumo – streaming em alta, exigência maior por internet de qualidade e cada vez menos linhas de telefone fixo. Diante disso, as empresas de telecom tentam correr atrás do prejuízo mostrando os combos como vantajosos em outros aspectos.

Um deles é a comodidade de incluir vários serviços em um só contrato e fatura, facilitando a rotina dos consumidores e a organização das finanças domésticas. 

Ainda assim, para Daniel Barros, especialista da PROTESTE, com o novo comportamento de consumo de entretenimento, cada vez mais on demand, a contratação dos combos deve sofrer uma boa redução nos próximos anos. 

 “Da mesma forma que o telefone fixo. As ofertas de planos de celular, com ligações ilimitadas, melhoria no serviço e o 5G entrando nas capitais, o fixo acaba sendo utilizado por pessoas mais idosas ou empresas, que têm necessidade de não perder o número”, acrescenta.

Contratar um combo ou serviços avulsos?

Para tirar a limpo se vale a pena assinar os serviços de TV, internet e telefone separados, a organização comparou a “escolha certa” dos combos 3P mais completos e a compra de serviços avulsos equivalentes. O resultado demonstra que nem sempre os pacotes são o melhor negócio. 

Mas Barros reforça que o usuário deve pesquisar bem os preços e, principalmente, refletir sobre o que faz mais sentido no próprio caso.  

“O mais importante é avaliar a necessidade da casa: se a família vai conseguir assistir a todos os canais, se a internet é adequada para o número de usuários e se o consumidor tem o hábito de efetuar ligações por meio do fixo, por exemplo. É essencial esse questionamento, pois muitas vezes o consumidor tem uma necessidade e acaba adquirindo um serviço a mais, pagando por algo que não vai utilizar”, orienta.

Cuidados na hora da contração

Seja qual for a opção de plano escolhida, o especialista da PROTESTE ressalta que, antes de fechar negócio, é preciso prestar atenção às condições do contrato para evitar surpresas. Ela dá 10 dicas para minimizar possíveis problemas:

  1. Ter anotado o número de protocolo, no caso de contratação via telefone. Se for via web, printar as telas;
  2. Solicitar o sumário da contratação (resumo das principais características do plano);
  3. Caso tenha algum tipo de promoção, perguntar o período em que acaba e qual será o valor posteriormente, sem a promoção;
  4. Informar-se sobre as regras do reajuste e quando acontece (o consumidor tem o direito de saber antes, inclusive, o índice de reajuste que será aplicado);
  5. Conferir o custo mensal;
  6. Verificar se existe fidelização e por quanto tempo;
  7. Qual é a velocidade de download e upload do serviço de internet;
  8. Qual é a velocidade mínima e média da conexão;
  9. Quais canais que fazem parte do pacote de TV contratado;
  10. Checar se existe alguma taxa de adesão.