De brinquedos à bolsas de luxo: que tal alugar ao invés de comprar?

Cada vez mais pessoas enxergam valor nesse modelo mais democrático de consumo, que poupa espaço, tempo e, principalmente, dinheiro
Economia compartilhada: bolsas de luxo, videogames e até panelas estão entre os itens disponíveis no mercado de locação (Joos Mind/Getty Images)
Economia compartilhada: bolsas de luxo, videogames e até panelas estão entre os itens disponíveis no mercado de locação (Joos Mind/Getty Images)
D
Da Redação

Publicado em 13/09/2022 às 07:30.

Última atualização em 13/09/2022 às 18:09.

Hoje é possível alugar, em vez de comprar, uma porção de coisas. E cada vez mais gente vem aderindo a essa forma de consumo, principalmente quando se trata de produtos que são mais caros, usados com pouca frequência ou que falta espaço em casa para guardar.

Serviços de compartilhamento de imóveis, como o AirBnb, ou de bicicletas, como oferecem alguns bancos, são exemplos bem conhecidos desse modelo, que faz parte da chamada economia compartilhada

Mas o que talvez muita gente não saiba é que há diversos itens que podem ser alugados – desde prancha de surfe até panelas – e o quanto essa alternativa, além de mais sustentável e prática, pode ser ótima para o bolso.

Economia compartilhada é tendência

Há cinco anos, quando nasceu o Baú do Bebê, empresa que aluga brinquedos e outros artigos infantis em São Paulo, o negócio era pequeno, com poucos produtos. “Mas a economia e os outros benefícios de se alugar eram tão evidentes que quem usava o serviço sempre voltava e indicava para os amigos”, conta Ana Carla Facchinato, cofundadora da loja. 

Hoje, com um portfólio que, além dos brinquedos inclui produtos portáteis e para o dia a dia (berços, carrinhos, cercados, cadeirões), a empresa oferece 300 opções diferentes, alguns com até centenas de unidades, e é um dos maiores serviços de aluguel de produtos para bebês do país. 

A empresa I Bag You, também criada em 2017 na capital paulista, é mais um exemplo do crescimento dessa tendência. Ela aluga bolsas de luxo, que são sonho de consumo, por um preço acessível. 

“Em um primeiro momento, havia um preconceito ou não entendimento do conceito de aluguel, mas 5 anos depois temos uma procura cada vez maior”, relata a fundadora da empresa, Anna Lugli.

Por que vale a pena alugar?

Para Ana Carla, a crescente adesão ao aluguel é mais do que justificada, pois as vantagens são inegáveis. Segundo ela, a principal é a economia, que no seu ramo chega a 80% em relação à compra do produto novo, tornando mais democrático o consumo.

Um dos carros-chefe da empresa, por exemplo, é uma cadeira de balanço automática, que chega a custar R$ 3.000, mas só é usada pelas famílias por poucos meses. Em média, as pessoas alugam por três meses, a um custo total de cerca de R$ 800. 

“Com os R$ 2.200 de economia, dá para alugar dezenas de outros produtos para ir divertindo e incentivando o desenvolvimento do bebê”, explica. “Em último caso, a pessoa pode usar o aluguel como um test-drive do produto para ter certeza de que o bebê se adaptou e que ele vai ser útil por muito tempo”.

No site do Baú do Bebê, por exemplo, brinquedos e outros produtos infantis, usados por pouco tempo, podem ser alugados. (Site Baú do Bebe/Reprodução)

Quanto às bolsas de grife, que são importadas, Anna Lugli destaca que elas tiveram uma alta enorme nos preços, tornando mais difícil comprar uma nova. “O aluguel é um meio de poder aproveitar uma peça de desejo por um bom valor e deixar o dinheiro que seria gasto para ser investido em algo de maior importância ou economizar”, diz.

Dependendo da peça, o aluguel custa menos de 5% do valor de compra. Alugar por um fim de semana uma bolsa clutch Jimmy Choo, que custa na loja R$ 6.500, por exemplo, sai a partir de R$ 150 (2,3%).

A loja I Bag You é uma das que oferecem aluguel de bolsas de luxo. (I Bag You/Reprodução)

Outras vantagens do aluguel

Além da questão financeira, um grande benefício de alugar é permitir o acesso a uma quantidade e variedade de produtos que seria quase impossível de se comprar. “É uma oportunidade de estar com um acessório diferente em cada evento”, ressalta a idealizadora da I Bag You.

“No caso dos bebês, a variedade é especialmente importante, pois eles se desenvolvem muito rápido e para cada etapa podem contar com os brinquedos certos, que promovem os estímulos que precisam para um desenvolvimento pleno”, diz Ana Carla.

Poupar espaço em casa também é um ponto importante, já que boa parte da população vive em apartamentos, e cada vez menores. Depois, quando o produto não estiver mais sendo usado, o que fazer com ele também deixa de ser um problema. Sem contar a praticidade, com os produtos sendo entregues e retirados na porta de casa.

“O aluguel ainda acaba com aquela frustração clássica dos pais de gastar muito dinheiro em um brinquedo para descobrir que a criança está mais interessada na embalagem”, brinca. “Se isso acontecer com um brinquedo alugado, é só trocar pelo próximo”.

10 exemplos do que mais dá para alugar

  • Videogames
  • Panelas 
  • Móveis residenciais
  • Ferramentas
  • Eletrodomésticos
  • Malas de viagem
  • Relógios e joias
  • Barracas e outros itens para acampar
  • Celular 
  • Artigos esportivos, como prancha, skate, patins, raquete de tênis

Veja Também

22 modelos de carros que entram na lista de isenção para PCDs
Economizar
Há 11 horas • 4 min de leitura

22 modelos de carros que entram na lista de isenção para PCDs

Banco PAN promove feirão de renegociação de dívidas
Economizar
Há um dia • 3 min de leitura

Banco PAN promove feirão de renegociação de dívidas

Dia do Cliente: 6 direitos que todo consumidor precisa saber
Economizar
Há uma semana • 5 min de leitura

Dia do Cliente: 6 direitos que todo consumidor precisa saber

Como completar o álbum da Copa do Mundo 2022 gastando pouco
Economizar
Há uma semana • 4 min de leitura

Como completar o álbum da Copa do Mundo 2022 gastando pouco