Não há candidato perfeito: como treinar um para a sua organização

A missão envolve orientação e apoio, mas também uma boa dose de consciência sobre as reais necessidades da empresa e a realidade do mercado de trabalho
 (Shutterstock/Shutterstock)
(Shutterstock/Shutterstock)
S
Sua Carreira, Sua GestãoPublicado em 11/03/2022 às 08:30.

Vejo muitos processos seletivos sendo estendidos por períodos além do necessário por um mito que ainda persiste na mente de muitos contratantes: a existência do profissional perfeito. Minha experiência diz que, na maioria das vezes, é possível encontrar em um mesmo candidato, no máximo, três das habilidades desejadas, ou cinco em um dia de muita sorte e com uma busca bastante refinada. Mas, via de regra, a perfeição não existe, seja na vida pessoal ou profissional, dentro ou fora das empresas. Digo isso como profissional, gestor, líder de uma organização e conhecedor do mercado de recrutamento e seleção.

A ausência do profissional perfeito não deve ser sinônimo de comodismo

É possível que algumas pessoas interpretem essa minha abordagem como um consolo cômodo. Mas não é essa mensagem que eu desejo transmitir. Minha intenção é estimular os empregadores a olhar com mais atenção para os processos de recrutamento, seleção, atração e retenção de profissionais. Pois, já que dificilmente será possível contar com um profissional perfeito, é importante encontrar meios de construir a equipe da maneira mais eficiente, mitigando erros.

Como encontrar o profissional ideal

O candidato perfeito pode não existir, mas com um processo seletivo estruturado é possível encontrar um profissional que tenha bastante afinidade com a empresa e a vaga. Isso quer dizer, obrigatoriamente, dedicar atenção para a definição do escopo da função, fazendo um confronto maduro e sincero dos desejos da empresa quanto ao perfil do profissional, às reais necessidades da posição e o que há disponível no mercado. 

Nesse mapeamento, minha recomendação sempre é que o empregador foque em exigir apenas as habilidades críticas para o desempenho da função, abrindo mão de outras que podem ser desenvolvidas ou aperfeiçoadas ao longo do tempo com treinamento e orientação. Na necessidade de contratar perfis mais específicos, considere buscar apoio de uma consultoria especializada. Se a indecisão for realmente grande e o tempo curto, é também estratégico contratar um profissional de projetos, por um período determinado, para dar conta das demandas, enquanto as ideias sobre o perfil ideal não ficam mais claras. Em muitos casos, o profissional temporário acaba virando membro da equipe permanente.

Como formar profissionais de sucesso

Acredito muito que cada profissional deve buscar meios para se desenvolver profissionalmente. Mas também acredito ser importante que as empresas criem um ambiente que inspire esse desenvolvimento, contribuindo para a formação de colaboradores cada vez mais próximos do ideal. E algumas ações bem simples podem facilitar essa missão:

1) Incentive ideias

Uma equipe de alto desempenho é formada por colaboradores que têm liberdade para apresentar ideias criativas e soluções inovadoras, seja para produtos, serviços, processos ou problemas.

2) Promova a colaboração

A colaboração e comunicação, que são requisitos fundamentais para o desenvolvimento dos melhores profissionais, estão entre os principais desafios do trabalho híbrido ou remoto. Por isso, é fundamental estabelecer meios para que a fluidez no compartilhamento de ideias, habilidades e experiências não seja quebrada nessa era de trabalho distribuído. Isso, em todos os níveis hierárquicos.

3) Delegue responsabilidades

Para a segurança do líder e do liderado, acredito que a autonomia deve ser uma conquista. Mas é importante que, com bom senso, o gestor nunca perca a oportunidade de promover o desenvolvimento dos colaboradores delegando responsabilidades. Afinal, é apenas na prática que se adquire experiência e se desenvolve novas habilidades.

4) Dê feedback e se mantenha acessível

Um feedback bem estruturado tende a gerar impactos muito positivos no desenvolvimento dos profissionais. É nessas conversas que o gestor tem a oportunidade de conhecer mais sobre os desejos, as necessidades e as expectativas dos colaboradores, enquanto apresenta a sua própria percepção sobre o desempenho desses profissionais, indicando caminhos e oferecendo conselhos, apoio e disponibilidade.

5) Apoie o desenvolvimento

Caso faça sentido para a realidade da empresa, é sempre útil oferecer aos colaboradores ações de mentoria e de coaching. A ideia é incentivá-los a ter um plano de carreira e trabalhar em prol dos seus próprios objetivos profissionais. Oferecer patrocínio total ou parcial para a realização de cursos técnicos ou comportamentais também costuma ser muito valorizado pelos profissionais, contribuindo para o aumento da retenção e da performance do time.

6) Reconheça esforços

Os colaboradores que cumprem as metas ou superam as expectativas precisam ser reconhecidos pelos feitos para se sentirem estimulados a continuar contribuindo com qualidade. Na semana passada, eu falei bastante sobre isso quando escrevi sobre o Employee Appreciation Day.

Uma frase atribuída ao pintor espanhol Salvador Dali diz o seguinte: “não se preocupe com a perfeição, você nunca a alcançará”. Eu concordo. Mas isso não quer dizer que devemos desistir de buscar formas eficientes de estar cada vez mais próximos dela, não é mesmo? E, para isso, a parte de cada um de nós precisa, pelo menos, estar bem feita.

Aqui, neste Blog, você encontra outros artigos sobre carreira, gestão e mercado de trabalho. Também é possível ter mais informações sobre os temas na Central do Conhecimento do site da Robert Half.

*por Fernando Mantovani, diretor-geral da Robert Half para a América do Sul e autor do livro Para quem está na chuva… e não quer se molhar.