Estamos todos exaustos? Como a cultura corporativa naturaliza o cansaço

Em um momento que tanto falamos de ESG também é hora de repensar por que glorificamos a exaustão
 (FG Trade/Getty Images)
(FG Trade/Getty Images)
S
Sofia EstevesPublicado em 26/05/2022 às 15:56.

Terminar o dia com o sentimento de frustração por não ter conseguido fazer tudo. Sentir que sua rotina se resume a responder e-mails e mensagens no WhatsApp. Fazer parte de vários projetos ao mesmo tempo, mas não conseguir se dedicar direito a nenhum deles.

Ter a sensação de ansiedade diante do imediatismo das demandas. Ficar em estado de alerta constante porque as ferramentas de comunicação passam a ideia de que estamos sempre disponíveis. Ter a impressão de que as entregas são feitas no piloto-automático porque falta tempo para ser criativa(o) e propor algo diferente. Sentir que, em um mercado extremamente competitivo, é preciso provar o seu valor a todo momento, ainda que isso custe a sua saúde mental.

Comecei este artigo descrevendo tais situações para deixar claro que cansaço não tem a ver apenas com excesso de horas trabalhadas. É um quadro mais complexo do que isso e que precisa ter suas diversas fontes identificadas para não tomar conta da sua empresa.

Isso porque é muito comum que o cansaço não apareça de forma isolada, e, sim, como uma onda que vai crescendo e crescendo até inundar toda a organização. E, quando grande parte das pessoas está mergulhada nisso, é mais difícil emergir para a superfície e encontrar um bote salva-vidas.

A intenção aqui não é provocar uma situação de pânico ou fazer drama, mas convidar todos a uma reflexão sobre esse sentimento crescente e, por vezes, naturalizado no mundo corporativo. Explico.

Quando falo em “sentimento crescente” me refiro às diversas pesquisas que mostram o aumento de casos de burnout, quadros de ansiedade e outras questões relativas à saúde mental e que têm ligação com essa sensação intensa de esgotamento.

LEIA TAMBÉM

Inclusive, em uma enquete no meu perfil no LinkedIn, 32% dos 5.953 respondentes afirmaram que estão se sentindo cansadas(os) depois desses primeiros meses de 2022 — outros 24% sinalizaram que a sensação é de desânimo e só 25% se disseram animados e 19%, felizes.

Um resultado desse não deve passar batido e isso tem a ver com o segundo adjetivo que usei. A naturalização do cansaço no mundo corporativo não é de hoje, afinal há quanto tempo não escutamos frases como “trabalhe enquanto eles dormem" e "se as coisas parecem sob controle, você não está indo rápido o suficiente"?

Cansaço como hábito

Longe de mim negar a importância do desafio ou a necessidade de, às vezes, dedicarmos mais horas e energia para uma entrega. Faz parte. O problema é quando não dormir, não parar, não descansar e correr contra o tempo se tornam o modus operandi. Viver cansado não é normal e não tem como as pessoas na sua empresa não se sentirem exaustas se a sua cultura não só naturaliza o cansaço, mas o glorifica.

É verdade que existem períodos de pico de trabalho. Não sou romântica e, como expliquei acima, sei que essas situações fazem parte da realidade dos negócios. A questão é que tornar isso um hábito não é sustentável para as pessoas que trabalham na sua empresa, tampouco é sustentável para o seu negócio.

Nós temos falado tanto sobre o conceito do ESG e, trazendo a sigla para a prática, precisamos pensar também em como ela está — ou não — refletida na cultura corporativa. Uma organização em que tudo é feito às pressas porque falta planejamento estratégico e onde as(os) colaboradoras(es) são constantemente afastados por motivos de saúde mental dificilmente tem um modelo de negócio sustentável.

A consequência disso normalmente é o oposto: turnover crescente, alta no índice do absenteísmo, aumento de gastos com saúde, queda na produtividade, impacto na satisfação do cliente e por aí vai.

Por isso, olhar para a questão do cansaço generalizado na sua empresa é uma forma de se antever a uma onda que pode começar engolindo algumas pessoas, depois áreas inteiras, projetos e, por fim, todo um negócio.

Para evitar esse tsunami, algumas recomendações são:

  • Identifique as diferentes origens dessas ondas e pense em planos de ação para contê-las;
  • Entenda que a correria faz parte, mas que existe algo errado quando ela se torna rotina;
  • Privilegie a qualidade do trabalho em vez da quantidade;
  • Use a tecnologia como forma de otimizar os processos e de trabalhar de maneira inteligente;
  • Repense práticas e rituais corporativos, coisas simples como diminuir a quantidade de reuniões ou simplificar os relatórios de resultados podem fazer a diferença;
  • Não faça da falta de planejamento de uma pessoa ou de uma área a pressa do outro, isso vai gerar um ciclo de ansiedade e impactar a qualidade da entrega;
  • Conscientize todos sobre o impacto negativo da cultura do cansaço e da importância de trabalhar esse assunto coletivamente.

Às vezes, terminamos o dia com aquela sensação de cansaço. Às vezes, tem até aquele cansaço bom de quando conseguimos superar um desafio. Às vezes, precisamos passar por uma fase que exige um pouco mais de nós. Mas isso deve ser só “às vezes”.